Campeões Nacionais 2014/2015

Campeões Nacionais 2014/2015

Siga-nos no Facebook

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Champions 1 - Benfica 0



Portugal 19 de Setembro de 2014

Se é verdade que o futebol do Benfica me tem tranquilizado no que diz respeito às provas nacionais, onde nem o “borrão” de Artur no jogo com o SCP me tira o sono, confesso que aguardava com curiosidade para saber como se comportaria a equipa numa competição de elevada dificuldade como a Champions.
E digo isto porque de acordo com a minha maneira de ver o futebol, há vários factores a considerar que enfraqueceram a equipa. Como sejam o enésimo desarranjo do plantel pelas tais necessidades de venda de jogadores e a contratação de alguns jogadores, dos quais só Talisca conseguiu fazer a pré temporada. Mas isso é nas minhas “teorias”, restava ver como seria na prática.
E digamos que a 1ª lição correu mal.
De facto sentiu-se a falta de um jogador de área que polarizasse os movimentos ofensivos da equipa, um jogador posicional como Cardozo, sentiu-se a falta de um defesa de grande qualidade que soubesse sair com a bola jogável (embora esta característica não seja a mais importante), pois apesar de ser muito esforçado, Jardel não é, nem será Garay, e sentiu-se a falta de entrosamento de alguns jogadores, pois a pré temporada foi jogada com outros e num sistema táctico diferente (com 2 avançados).
Às vezes quando escrevo nos meus textos sobre o amadorismo da Direcção do Benfica, há uns “cromos” que ficam muito chateados e partem para a crítica contundente ou insulto gratuito. Vêm o Benfica como algo de arquétipo, inatacável por ser exemplo de perfeição. Que está longe de ser....
A realidade é que Vieira ofereceu Garay ao Zenit por umas “cascas de alho” e por critérios não desportivos, como referiu. Para o seu lugar contratou César por 2 milhões, a uma equipa da 2ª divisão brasileira, e fez regressar Lizandro (que custou 5 milhões). Depois de ter valorizado Siqueira, permitindo um ganho de 3 milhões ao Granada, contratou 2 defesas esquerdos, Djavan e Benito até decidir que afinal era o Eliseu que ia jogar. Siqueira era caro, com 7 milhões, mas só em 2 defesas o Benfica gastou 4 milhões! No ataque “ofereceu” o Cardozo ao Trabzonspor e contratou Derlei ao Marítimo por 2,5 milhões. Trocou 1 goleador posicional de créditos firmados, por outro jogador móvel e uma incógnita, já que marcar golos no Marítimo é uma coisa, marcar no Benfica é outra.
A somar à estranha estratégia de Vieira, fosse por lesão ou por opção, Luisão e Jardel não fizeram um só jogo da pré temporada, Samaris idem mas por não estar cá e Enzo por férias. 4 jogadores que ocupam posições fundamentais dentro de campo.
E foi assim que com apenas 4 jogos no campeonato português que abordamos o 1º jogo da Champions, perante um adversário que já levava 8 e que se reforçou à custa do Benfica, com particular ênfase na defesa, onde Garay foi dar a qualidade que faltou em anos anteriores, e que impediram o Zenit de ser campeão. Mas há também que considerar a qualidade de Javi Garcia. Não é por acaso que Villas-Boas se reforçou com ex-jogadores do Benfica.
Ironia das ironias (para além do sorteio ter emparelhado o Benfica com o Zénit e o Mónaco, como no ano passado com o Olympiakos de Roberto), foi Jardel a iniciar a jogada do 1º golo dos russos. De facto há uma certa diferença entre Garay e Jardel, mas possivelmente Vieira não percebeu isso quando decidiu oferecer Garay a Villas-Boas. E assim com um só erro, um só golo, se começou a desenhar uma derrota cara. Na alta competição, isto é mesmo assim: os erros pagam-se mais caro do que na média ou baixa competição, como seja o nosso campeonato nacional.
Mas também considero que existiu um mau posicionamento global da nossa equipa, fruto do mau posicionamento de Samaris, que nesse lance de Jardel não ocupou a posição 6 como deveria. Se o tivesse feito, a nossa defesa não subiria tanto no terreno, e as hipóteses de interceptar o contra ataque do Zenit, seriam muito maiores. Mas temos de o desculpar pois é só o 2º jogo oficial que faz. É o planeamento do SLB a funcionar.
E assim, com este amadorismo da Direcção, abordamos pela enésima vez a exigente Champions, com vários jogadores sem rotinas. Os erros pagam-se caro e pior, influenciam o jogo seguinte.
Uma palavra obviamente para a bonita atitude dos adeptos presentes no estádio da Luz, que presentearam a equipa com uma enorme ovação, apesar da derrota. Foi bonito e fez lembrar os adeptos do Liverpool quando cantam o “you’ll never walk alone” mesmo quando perdem. Era bom que se repetisse mais vezes, pois seguramente iríamos lucrar mais. Uma equipa acarinhada, que sente os adeptos do seu lado, joga e rende mais.

3 comentários:

  1. Com Siqueira e com o Garay não fomos aos quartos, num grupo muito mais acessível, portanto, deixa-te de merdices.

    ResponderEliminar
  2. Que grande treinador deves ser,contigo em vez de quatro titulos ganhavamos sete.Parabens, já temos um treinador benfiquista para quando o JJ sair.VIVA O BENFICA

    ResponderEliminar
  3. 1) Com Garay e Siqueira fizemos 10 pontos, a 2ª pontuação mais alta que já fizemos na Champions com o actual modelo de grupos. Só uma pessoa muito estúpida pode comparar o que fizemos nesse grupo “acessível” ao fim de 6 jogos, com o que se começou a fazer mal contra o Zenit, logo na 1ª jornada. Recordo que na última vez que nos tinha saído, nos oitavos de final, perdeu cá 2-0 depois de ter ganho lá 3-2. Mas é verdade, agora o Garay está do lado deles e eles ganharam. Parabéns ao Sr.º Vieira que ainda não explicou porque ofereceu Garay ao Zenit, se foi para poupar 3,5 milhões de salários, se foi para ajudar o amigo Villas-Boas que se falhasse outra vez, somaria o 3º despedimento consecutivo....

    2) Se tiverem o cuidado de procurar no blogue Nova GeraçãoBenfica ou no Basta2002, irão ler muitos textos, logo após Novembro de 2010 e os famosos 5-0 contra o FCP, que fui sempre defensor de Jesus mesmo quando, mais recentemente, pediram a sua demissão após a época das 3 finais perdidas. Nessa altura, se calhar alguns dos que com hipocrisia vêm agora defender JJ, eram os mesmos que pediam a sua “cabeça”. Aliás bastava tentar compreender o meu texto, coisa difícil para alguns apesar da simplicidade das palavras, que eu falo da falta do avançado, Cardozo, e da qualidade da defesa, onde Garay é muito melhor que Jardel (jogador que também aprecio, mas uma coisa é o campeonato, outra a Champions). São os dois elementos que falo no texto, com mais acutilância, e esses devem-se às decisões do Sr.º Vieira, que explicou a saída com “critérios próprios”. Nem foi por critérios desportivos nem foi por critérios económicos. O treinador pouco pode fazer quando o Presidente é o primeiro a sabotar o valor desportivo da equipa.

    ResponderEliminar

AMIGO/A VISITANTE

Não comente como ANÓNIMO porque pode haver quem deseje responder-lhe e assim continuar o diálogo.

Clique em NOME/URL e escreva o seu, ou um nome, ou um nik, não necessitando de escrever nada no 2.º rectângulo, deixando-o em branco.
A seguir clique em ... continuar e... comente.

Volte sempre. Obrigado