Campeões Nacionais 2014/2015

Campeões Nacionais 2014/2015

Siga-nos no Facebook

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Venham mais quatro...



Portugal 29 de Setembro de 2014

Foi um excelente fim-de-semana futebolístico, com a concretização da melhor conjugação de resultados (na minha opinião) para o Benfica: empate no clássico entre SCP e FCP, vitória (difícil) do Benfica na Amoreira. E assim devagar, devagarinho, ou se quiserem, sem “saber ler nem escrever”, o Benfica tem 4 pontos de avanço sobre o FCP e 6 pontos de avanço sobre o SCP.
Vamos por partes.
Muito se tem debatido e perorado nestes últimos anos, sobre a “nota artística” que o futebol do Benfica deve exibir, em qualquer lugar, em qualquer competição. A saída de Rui Costa e as incertezas que a sua substituição levantou, a contratação de Aimar para, nas palavras de Rui Costa, ser o seu “herdeiro”, a própria filosofia de jogo implementada por Jesus, quer da pressão alta, quer da nota artística, as diversas correntes “filosóficas” que em jornais e blogues de benfiquistas concluíam que o sistema de jogo que Jesus tinha implementado no Benfica “rebentava” fisicamente com os jogadores pelo vaivém constate que os obrigava, até ao empalidecer da estrela de Aimar e Saviola, às novas contratações e à actual equipa que à margem dos negócios próprios do futebol, perdeu dois jogadores fundamentais por questões que o Sr.º Vieira não consegue explicar: Garay e Cardozo.
É curioso que agora, sem nota artística e com baixas importantes na manobra da equipa, por opção da Direcção, este Benfica consiga estar à 6ª jornada, com a maior vantagem na era Jorge Jesus sobre, em particular o FCP que já contabiliza 3 empates. Tantos como Villas-Boas nos 30 jogos da única época que esteve à frente do FCP, embora também não possamos esquecer a ajuda escandalosa de uns quantos árbitros na fase inicial da prova.
Como sempre defendi a nota artística não pode ser um objectivo de jogo, a pressão alta não pode ser uma estratégia de jogo, os jogos devem-se ganhar com coesão defensiva à custa do trabalho do meio campo, e com saídas rápidas para o ataque, à custa de roubos de bola ou melhores posicionamentos que permitam a intercepção das jogadas adversárias.
Não foi desta maneira que se ganhou ao Estoril, é certo, onde pela 4ª vez em 5 vitórias, o 1º golo surgiu por iniciativa individual, embora desta vez marcado por um avançado. Para mim o 1º golo é um dado importante porque a partir daqui o adversário reajusta-se de forma mais proactiva no ataque, e com isso sobe no terreno criando mais espaços na retaguarda, espaços que a melhor equipa tem de saber aproveitar: porque é melhor, tem jogadores mais talentosos!
Nesta jornada, o Benfica conseguiu o mais difícil, colocando-se a ganhar por 2-0 aos 10 mn de jogo, mas depois desperdiçou esse avanço, coisa que só me lembro num jogo da Taça em Alvalade na época dos 3 treinadores (Fernando Santos, Camacho e Chalana), 2007/2008. Ou seja, se a memória não me falha, há 7 anos que o Benfica não permitia um empate a 2, tendo 2 golos de vantagem.
É isto preocupante? Se tivesse a certeza que só daqui a 7 anos isto voltava a acontecer, não havia motivos para alarme. Mas não é assim, e temos de tentar perceber porque cargas de água, na Amoreira não conseguimos estabilizar um modelo de jogo semelhante ao de Setúbal, onde fomos exímios no contra ataque. Desta vez pelo contrário acabamos por sofrer dois golos, que perante a diferença de potencial entre as duas equipas, e a vantagem de 2-0, é algo difícil de entender.
Contudo seguramente JJ tirará ilações sobre o que correu mal, para não cometermos mais erros destes no que resta de campeonato. É importante estar à frente dos nossos principais rivais, e pelos vistos os do FCP já sentiram o toque, uma vez que já começaram com a “choradeira” sobre supostos erros de arbitragem patrocinados pela Sporttv do amigo (do Sr.º Vieira) Sr.º Joaquim. Eles sentem que nada está perdido, até porque tiveram um calendário de jogos fora de casa mais difícil do que o nosso. Mas se os 4 pontos desestabilizarem a equipa e o treinador sub-21 que contrataram, é possível que com competência do nosso lado, essa vantagem aumente. E aí as coisas podem-se tornar complicadas, porque podemos “embalar”. Mas para que a competência exista, é preciso perceber o que correu mal na Amoreira.

sábado, 27 de setembro de 2014

Que foi isto?

Epá... que foi isto que se passou hoje no Estoril? entrámos bem, 15 minutos avassaladores e depois zero...

Os jogadores decidiram ligar o complicómetro? Decidiram defender um dos resultados mais falsos do futebol aos 15 minutos da 1.ª parte? Nem com mais um jogador soubemos gerir e controlar o jogo!! Perdi a conta ás perdas de bola por passe de 3 metros transviados...

Que este jogo sirva de lição para o futuro!!! Um resultado de 2-0 não é seguro temos de manter a concentração e a intensidade de jogo. Gestão? Sim, a partir do meio da segunda parte  E COM BOLA!!!

Sinceramente, podíamos ter dado uma demonstração de força ao termos goleado o Estoril e acabámos o jogo quase de calças na mão...

Mas o mais importante já cá canta que são os 3 pontos e a vantagens de 4 e 6 pontos para os corruptos e Sporting respectivamente.

Quanto á arbitragem, teve um erro com influência no resultado, o jogador do Estoril joga a bola com a mão no lance que dá o golo. Quanto à expulsão, nada a dizer!! O jogador do Estoril dá um toque no pé do Enzo, não foi como a besta do Pedro Henriques diz, que Enzo arrastou a perna. O contacto é no outro pé...



sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Sobre a "absolvição" do corrupto...

Um dia Vieira disse mais ou menos que o sistema ainda estava bem vivo, só tinham mudado de estratégia, estavam mais refinados.

Ora, depois da decisão de "absolverem" o corrupto, eles podem deixar de ser refinados e podem fazer telefonemas à vontade, escolher os árbitros para os seus jogos e dos adversários, podem pressionar a comunicação social, o corrupto pode voltar a receber árbitros em casa, pode voltar a oferecer fruta e a melhor noticia para todos os árbitros, o próximo investimentos dos corruptos...

O Calor da Noite irá reabrir com certeza...









Missil relva-ar



Portugal 26 de Setembro de 2014

Infelizmente a minha vida profissional não me tem dado grande margem para escrever, mas tinha umas coisas para registar (para memória futura) relativamente à última jornada, onde de forma um tanto enviesada, alcançamos o 1º lugar da tabela, isolados com 2 pontos de avanço sobre o FCP e 4 sobre o SCP. Desde Trappatoni que não conseguíamos tal “façanha”, embora esta comparação não seja para relevar, uma vez que o Benfica de Trappatoni apesar de ter sido campeão, apenas obteve 65% de pontos, coisa que nestes últimos anos, nem sempre garante o 3º lugar.
A última vitória foi começada com um golão de Eliseu, um autêntico míssil relva - ar, mais concretamente, relva – canto superior direito da baliza, sem hipótese para o guarda redes. A potência e direccionalidade do remate farão deste golo um dos melhores do campeonato, sem qualquer sombra de dúvida.
Se é verdade que é sempre bom chegar a 2ª feira e estarmos em primeiro lugar no futebol, deixando os adeptos dos rivais um pouco aturdidos e nervosos (o Lopetegui dos 6-0 ao BATE virou “Lol”petegui do 0-0 com o Boavista), também me parece que este momento do campeonato traz mais interrogações do que certezas.
É contudo engraçado ver tanto e tanto comentador, seja na BTV ou não, aproveitar a “onda” favorável para referir que “ah e tal, na pré temporada houve muita gente que duvidou do trabalho que estava a ser feito, mas eu confiei sempre, etc.”. Cambada de hipócritas e graxistas militantes... Adiante.
O que me preocupa neste momento são as conclusões que se tiram dos números. Que não são tranquilizadoras. Vejamos. Ganhamos 4 dos 5 jogos, 80% de vitórias (percentagem de campeão) o que é bom, mas esse dado será mais rigoroso quando o número de jogos em casa igualar o número de jogos fora. Ou seja, na próxima jornada.
Por outro lado, nas 4 vitórias, 3 delas (Boavista, Setúbal e Moreirense), ou seja 75%, começaram com golos de inspiração individual, e apenas 1 (25%) como corolário de jogo de equipa (Paços de Ferreira). Na minha opinião, estas percentagens estão trocadas, porque os golos resultantes de jogadas colectivas é que deveriam ser 75 a 80%. Isso dava-nos confiança na qualidade da “máquina” futebolística.
Por outro lado ainda, desses 4 golos que iniciaram as 4 vitórias, 3 deles foram marcados por defesas, concretamente defesas laterais. Só 1 golo foi marcado por um avançado (e já agora, em lance de inspiração individual, Sálvio em Setúbal). Também aqui, as percentagens estão trocadas, devendo os primeiros golos ser marcados pelos avançados, em cerca de 75 a 80% dos casos.
Quer isto dizer que esgotando-se o stock dos “mísseis” não estou a ver como iremos continuar a ganhar jogos, pois a nossa linha avançada, prejudicada ou não pela opção de “empandeirar” Cardozo, não está a marcar golos”!
Esta leitura das coisas encaixa-se com outro dado factual: não conseguimos ganhar contra os dois adversários teoricamente mais fortes que já defrontamos: SCP (empate) e Zenit (derrota). E antes que os meus críticos mais iluminados venham recordar que nesses jogos existiram erros individuais na defesa, eu lembro que contra o SCP interrompemos a média de 2 golos marcados por jogo que vínhamos obtendo com JJ, e que contra o Zénit, com mais ou menos aplicação dos jogadores, não conseguimos marcar qualquer golo!
Não pretendo com isto ser pessimista mas sim realista, embora no futebol, e em particular no Benfica, a linha que separa o pessimismo do realismo é muito ténue e mal percebida.
E bom, vem aí a 6ª jornada onde podemos capitalizar do embate entre SCP e FCP caso vençamos o jogo no Estoril. Confesso que não gosto que a comunicação social sublinhe que “há 68 anos que o Benfica não perde na Amoreira”. Dá azar...

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Champions 1 - Benfica 0



Portugal 19 de Setembro de 2014

Se é verdade que o futebol do Benfica me tem tranquilizado no que diz respeito às provas nacionais, onde nem o “borrão” de Artur no jogo com o SCP me tira o sono, confesso que aguardava com curiosidade para saber como se comportaria a equipa numa competição de elevada dificuldade como a Champions.
E digo isto porque de acordo com a minha maneira de ver o futebol, há vários factores a considerar que enfraqueceram a equipa. Como sejam o enésimo desarranjo do plantel pelas tais necessidades de venda de jogadores e a contratação de alguns jogadores, dos quais só Talisca conseguiu fazer a pré temporada. Mas isso é nas minhas “teorias”, restava ver como seria na prática.
E digamos que a 1ª lição correu mal.
De facto sentiu-se a falta de um jogador de área que polarizasse os movimentos ofensivos da equipa, um jogador posicional como Cardozo, sentiu-se a falta de um defesa de grande qualidade que soubesse sair com a bola jogável (embora esta característica não seja a mais importante), pois apesar de ser muito esforçado, Jardel não é, nem será Garay, e sentiu-se a falta de entrosamento de alguns jogadores, pois a pré temporada foi jogada com outros e num sistema táctico diferente (com 2 avançados).
Às vezes quando escrevo nos meus textos sobre o amadorismo da Direcção do Benfica, há uns “cromos” que ficam muito chateados e partem para a crítica contundente ou insulto gratuito. Vêm o Benfica como algo de arquétipo, inatacável por ser exemplo de perfeição. Que está longe de ser....
A realidade é que Vieira ofereceu Garay ao Zenit por umas “cascas de alho” e por critérios não desportivos, como referiu. Para o seu lugar contratou César por 2 milhões, a uma equipa da 2ª divisão brasileira, e fez regressar Lizandro (que custou 5 milhões). Depois de ter valorizado Siqueira, permitindo um ganho de 3 milhões ao Granada, contratou 2 defesas esquerdos, Djavan e Benito até decidir que afinal era o Eliseu que ia jogar. Siqueira era caro, com 7 milhões, mas só em 2 defesas o Benfica gastou 4 milhões! No ataque “ofereceu” o Cardozo ao Trabzonspor e contratou Derlei ao Marítimo por 2,5 milhões. Trocou 1 goleador posicional de créditos firmados, por outro jogador móvel e uma incógnita, já que marcar golos no Marítimo é uma coisa, marcar no Benfica é outra.
A somar à estranha estratégia de Vieira, fosse por lesão ou por opção, Luisão e Jardel não fizeram um só jogo da pré temporada, Samaris idem mas por não estar cá e Enzo por férias. 4 jogadores que ocupam posições fundamentais dentro de campo.
E foi assim que com apenas 4 jogos no campeonato português que abordamos o 1º jogo da Champions, perante um adversário que já levava 8 e que se reforçou à custa do Benfica, com particular ênfase na defesa, onde Garay foi dar a qualidade que faltou em anos anteriores, e que impediram o Zenit de ser campeão. Mas há também que considerar a qualidade de Javi Garcia. Não é por acaso que Villas-Boas se reforçou com ex-jogadores do Benfica.
Ironia das ironias (para além do sorteio ter emparelhado o Benfica com o Zénit e o Mónaco, como no ano passado com o Olympiakos de Roberto), foi Jardel a iniciar a jogada do 1º golo dos russos. De facto há uma certa diferença entre Garay e Jardel, mas possivelmente Vieira não percebeu isso quando decidiu oferecer Garay a Villas-Boas. E assim com um só erro, um só golo, se começou a desenhar uma derrota cara. Na alta competição, isto é mesmo assim: os erros pagam-se mais caro do que na média ou baixa competição, como seja o nosso campeonato nacional.
Mas também considero que existiu um mau posicionamento global da nossa equipa, fruto do mau posicionamento de Samaris, que nesse lance de Jardel não ocupou a posição 6 como deveria. Se o tivesse feito, a nossa defesa não subiria tanto no terreno, e as hipóteses de interceptar o contra ataque do Zenit, seriam muito maiores. Mas temos de o desculpar pois é só o 2º jogo oficial que faz. É o planeamento do SLB a funcionar.
E assim, com este amadorismo da Direcção, abordamos pela enésima vez a exigente Champions, com vários jogadores sem rotinas. Os erros pagam-se caro e pior, influenciam o jogo seguinte.
Uma palavra obviamente para a bonita atitude dos adeptos presentes no estádio da Luz, que presentearam a equipa com uma enorme ovação, apesar da derrota. Foi bonito e fez lembrar os adeptos do Liverpool quando cantam o “you’ll never walk alone” mesmo quando perdem. Era bom que se repetisse mais vezes, pois seguramente iríamos lucrar mais. Uma equipa acarinhada, que sente os adeptos do seu lado, joga e rende mais.

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Isto também é Benfica...

Perdemos mas caímos de pé!!! Grande atitude, grande raça, grande entrega e excelente qualidade de jogo. Isto também é Benfica. Podemos perder mas quando a equipa dá tudo o que tem e com esta qualidade simplesmente é impossível criticar quem quer que seja!!!

Mais uma vez somos prejudicados numa competição europeia. O lance do Salvio é penalti e tenho a certeza que se o lance fosse na nossa área o árbitro marcaria penalti.

Se mantivermos esta atitude e esta qualidade de jogo podemos passar!!!

Parabéns a todos aqueles que estiveram na Luz a apoiar a equipa porque aquele final de jogo, aquele apoio foi fantástico!!!!

CARREGA BENFICA!!!

Equívocos e confirmações....



Portugal 16 de Setembro de 2014

A última jornada de futebol trouxe um conjunto de resultados e de reacções que comprovam a existência de alguns equívocos e algumas conclusões que passaram ao lado dos principais analistas de futebol, os que ganham bom dinheiro para participar naqueles programas de entretenimento em que supostamente falam de futebol.
Na jornada anterior, a propósito do empate do Benfica com o SCP, esses analistas e demais comunicação social, elogiaram a exibição do SCP, vendo o que não existiu – grande qualidade futebolística da sua exibição – e não vendo que o SCP trouxe 1 ponto devido exclusivamente a um erro do nosso guarda redes. Isto é, também viram esse erro, mas apenas para “crucificar” Artur Moraes e não para o relacionar com o pontinho que o SCP obteve e que interrompeu 6 derrotas consecutivas na Luz.
Recordo o que escrevi no texto anterior, em 1 de Setembro: “a mim pareceu-me que se podem tirar muitas outras conclusões e que não foi pelo enorme erro de Artur que perdemos 2 pontos. Do lado positivo, regista-se a boa qualidade de posse de bola do Benfica e algumas transições rápidas entre a defesa e o ataque. O que permitirá mais tarde, a concretização de mais golos. E daqui vem o lado negativo, a pouca eficácia dos avançados”.
Passada apenas uma jornada, temos a concretização disto mesmo: o Benfica teve a eficácia que faltou no jogo com o SCP, em particular nas transições rápidas defesa/ataque e o SCP, que também teve um brinde, desta vez de China, continuou sem conseguir ganhar apesar de ter defrontado em sua própria casa um adversário de menor orçamento.
Fica bem evidente o equivoco dos analistas e da comunicação social em geral, no que respeita às conclusões sobre a qualidade de jogo que o SCP apresentou na Luz, e ficou confirmado que este Benfica pode marcar muitos golos jogando com 1 avançado (como sempre tenho defendido) e privilegiando as transições rápidas defesa/ataque.
Por isso continuo a defender que quem espera aprender alguma coisa de futebol com esta malta da comunicação social, bem pode esperar sentado e pedir um gim tónico para ajudar a passar o tempo...
Claro que nem falo do solípede Nuno Farinha que escreveu em coluna de opinião, no RECORD há uns meses, “desancando” na qualidade de Talisca e na qualidade de Jorge Jesus. Mas como no ano passado também escreveu que a vitória do Benfica no Estoril (onde o FCP tinha empatado) tinha sido uma vitória “mentirosa”, deste cavalheiro já espero tudo. Até ver a Benfica TV promover uma acção social de rua do Ruben Amorim, em conjunto com o RECORD que estava representado por... Nuno Farinha. Que ao que parece, até é benfiquista! O benfiquismo anda mesmo pelas ruas da amargura....
Num clube onde impera a falta de vergonha de um Presidente que não consegue explicar quando recebeu o emblema de prata dos 25 anos de associado, estas coisas podem e vão continuar a acontecer...
Mas também foi uma jornada de confirmações de como para o FCP, as conclusões da influência da arbitragem são sempre diferentes, do que para o Benfica. Tomando o jornal O JOGO como referência, na 1ª página foram mencionados 2 erros de arbitragem que prejudicaram o FCP, 1 penalty por assinalar e 1 golo mal invalidado. É curioso, mas quando o Benfica venceu na Madeira há 4 anos por 1-0, golo de Cardozo, onde foram tirados 2 penaltys ao Benfica, o mesmo jornal O JOGO tinha na 1ª página um título do tipo “(sofrimento) por culpa de Cardozo”. Ou seja, que o Cardozo desperdiçou tantos golos nesse jogo que o Benfica ia empatando! 2 penaltys? O Tribunal do JOGO não considerou os lances relevantes, ou a terem considerado relevantes, a Direcção do Jornal não considerou suficientemente importantes para virem mencionados na 1ª página. Como agora fizeram para os casos do FCP.
Obviamente que sobre o penalty oferecido ao FCP, isso não merece 1ª página. Há que mentir a todos os níveis, desde que seja para branquear os erros do FCP. Mas então o Jakson não falhou golos? O Lopetegui não errou na gestão do grupo e nas substituições? Não houve jogadores do FCP em sub rendimento? Não! Nada disso! Só se tivesse jogado o Benfica é que teria sido assim: o Jesus errou na equipa que montou ou na táctica (marcar com X a opção preferida), o lado esquerdo do ataque foi pouco criativo, os avançados foram perdulários, a defesa comprometeu, o guarda redes esteve inseguro e o plantel do Guimarães custa 1/4 do que custa o plantel do Benfica....
Acresce que o dono do jornal o JOGO foi um dos convidados de honra do Benfica, a marcar presença na final da Liga Europa em Turim...

sábado, 13 de setembro de 2014

Afinal não goleámos...

Andava eu todo contente ontem por termos vencido o Setúbal com uma goleada das antigas e eis que um programa da TVI24 e mais alguns escribas e cúmentadores me trouxeram para a dura realidade... 

O Benfica afinal não goleou coisa nenhuma!!!

O que o Benfica fez ontem foi vencer tangencialmente um amorfo e fraquissimo Setúbal por 5-0.

É isso mesmo...

Afinal não foi o Benfica que venceu, foi o Setúbal que perdeu...

Afinal não foi o Benfica que goleou, o Setúbal é que é fraco;

O Talista afinal fez um banal hat-trick, coisa ao alcance de um qualquer Montero ou Nani...

Afinal o Benfica não marcou 5 golos... Sabem porquê?

Porque:
  • O primeiro golo não conta porque não foi uma jogada colectiva;
  • O segundo também não conta porque foi uma oferta da defesa e Talista só se limitiu a dominar a bola de forma perfeita e rematar colocado, coisa banal nos pés de um qualquer Montero;
  • O terceiro também não conta porque foi de bola parada, logo não foi uma jogada colectiva;
  • O quarto golo também não conta porque Talisca estava "à mama" e não fez nada mais do que aquilo que um qualquer Montero faria;
  • O quinto golo também não conta porque segundo Domingos a bola "pinchou" á frente do GR e o Ola John só teve de empurrar a bola para dentro da baliza, coisa que qualquer Montero faria. A chatice aqui é as bolas de futebol "pincharem"... Que coisa estranha esta, é preciso ter mesmo galo...
Conclusão: Afinal empatámos o jogo por 5-0 com muito sofrimento. Tivesse o Benfica jogado com uma equipa fraquissima, tipo Académica ou Belenenses, e teríamos sido cilindrados sem apelo nem agrado.

Em Alvalade o Sporting consegue mais um estrondoso empate com o sempre poderoso, perigoso e gigante Belenenses. Que raio de sina a minha.. Porque não nasci lagarto...


sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Manita




Nada mau para uma equipa que, segundo os especialistas, foi desmantelada e vendida ao desbarato.

Foram só 3 pontos mas sabe sempre bem uma goleada.

Venha o próximo...


segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Uma banalidade...



Para aqueles que andaram o pré-Mundial, o Mundial e o pós-Mundial a chorar baba e ranho porque o William Carvalho devia ter jogado a titular e com isso a selecção ficaria mais forte, pois tomem lá este resultado fantástico com o William a titular. O mesmo serve para aqueles que andaram a falar em humidades...

E atenção... A culpa não é do William, que é um excelente jogador, o problema é a incapacidade de Paulo Bento em conseguir transmitir aos jogadores a sua ideia de jogo, se é que existe. Como tal, e como sempre disse, tanto faz meterem lá o William, o Almeida ou outro qualquer que o resultado será sempre o mesmo... Um vazio de futebol, um vazio de colectivo, um vazio de ideias de jogo, uma banalidade...

Agora troquem de roupeiro porque já se viu que do médico não era...


quarta-feira, 3 de setembro de 2014

A cúmunicação social é engraçada...

Desde que terminou o campeonato passado que tem sido um fartote nesta nossa cúmunicação social desportiva.

Segundo estes experts, baseados em fontes fidedignas, deveriam ter saído Luisão, Máxi, Salvio, Artur, Enzo, Gaitan e Lima. Penso que não me escapou nenhum... A verdade é que nenhum saiu e lá se foram as fontes... Mas calma porque ainda há 3 dias fechou o mercado e já dizem que Enzo sai em Janeiro. Fantástico!! A isto tudo juntem as dezenas e dezenas de jogadores que vinham para o Benfica e ficam com uma noção da trampa que é a nossa cúmunicação social desportiva. E o incrível é que ainda há malta que come esta palha toda todos os dias, ou seja, a primeira coisa que fazem assim que fecham a porta de casa é ir à papelaria da esquina comprar este tipo de papel higiénico.

Ao mesmo tempo que lançavam nomes para o ar, entre saídas e entradas, uns avençados faziam textos e textos sobre a crise no Benfica, as televisões deram horas de antena a dezenas de cúmentadores, tudo para discutirem e dissecarem a crise que se abateu no Benfica, a venda ao desbarato de Oblak por 16 milhões, o Rodrigo por 30 milhões, o Matic por 25 milhões, o Markovic por 25 milhões, ou seja, tudo por tuta e meia...

Depois tivemos os resultados em jogos amigáveis e de preparação onde esta gentalha toda não perdeu uma oportunidade de achincalhar o Benfica a cada derrota e a anunciar o Apocalipse, ao mesmo tempo que lançavam loas á armada espanhola que ia chegando ao Dragão, passando pelos elogios à fantástica gestão desportiva do lagartedo que ia de vitória em vitória, com pujança, o exemplo nacional do que é gerir uma equipa de futebol.

Começou a nova época e a manta de retalhos, a equipa em crise, a equipa vendida ao desbarato entrou em campo para disputar a supertaça e venceu-a ao Rio Ave. Venceu mas só nos penaltis e isso assim não vale!!! Além do mais foi contra uma equipa muito fraca que só conseguiu chegar á fase de grupos da Liga Europa e que leva 3 jogos e 3 vitórias no campeonato e mais 4 pontos que o lagartedo, os tais que foram o exemplo na pré-época.

O FC Porto das trutas lá vai com 9 pontos, onde deveria ter só 7 porque dar cotoveladas dentro da área é agressão e penalti mas em Paços parece que ninguém viu nada, e a fazer exibições de pura classe.

A equipa em frangalhos e destruída lá vai com 7 pontitos, conseguindo um milagroso empate com o lagartedo, escapando assim a uma humilhante goleada.

O lagartedo? O lagartedo está arrumado no campeonato!! Que se dedique ás Taças... Curioso é que o Benfica de equipa destroçada e à deriva passou a favorita e segundo os cúmentadores quem saiu prejudicado do resultado do derbi foi o Benfica. O lagartedo é que não porque esses estão a uns confortáveis 4 pontos de Porto, Guimarães e Rio Ave, a 2 de Benfica e Braga. só mesmo ao alcance das grandes equipas...

Alguém leu ou viu falar algum cúmentador sobre este atraso comprometedor logo à 3.ª jornada?

O que seria se neste momento o Benfica estivesse na situação do lagartedo...





segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Último dia...



Portugal 1 de Setembro de 2014

Último dia para o mercado de jogadores fechar e finalmente acabar a especulação em torno de qual vai ser a equipa do Benfica que vai “atacar” o bicampeonato. Também é o último dia que vou estar por cá, esperando que amanhã já possa estar na praia desfrutando a areia e as ondas do mar.
Nestes últimos tempos aconteceram algumas coisas interessantes. Desde logo o sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões, onde nos calhou um grupo relativamente difícil. Mas se tivesse saído o Borussia Dortmund, o Liverpool e o Roma teria sido pior.
Recordo-me das palavras de JJ quando a propósito da miserável pré temporada (mal planeada, lesões e maus resultados) defendeu que é nos “jogos com equipas difíceis que se fazem os testes que têm de se fazer”. Não percebi bem do que é que ele se estava a defender, uma vez que das experiências que fez resultou que há 5/6 jogadores que não têm qualidade suficiente para jogar na equipa mais forte do Benfica: César, Luís Felipe, Benito, Sidnei, Bernardo Silva, João Teixeira e João Cancelo. Sabendo das dificuldades técnicas destes jogadores e do grau de exigência que existe no Benfica (adeptos + comunicação social) foi prudente apostar num esquema de jogo com 2 avançados? Acho que não, que só piorou a imagem desses jogadores e provocou danos na confiança dos adeptos.
Ora tomando como referência as ideias do nosso treinador, também me parece que isto de jogar na Liga dos Campeões, o que dá “pica” é jogar contra equipas a sério. Andar na Liga dos Campeões a jogar com Maribores e BATES Borisovs é coisa para equipas com pouca auto confiança e que têm receio dos confrontos com as grandes equipas, “safando-se” com equipas de menor experiência e/ou menores orçamentos. Portanto acho que na lógica de Jesus temos um bom grupo. Embora pudesse ter sido bem pior, como já referi.
Por outro lado, este sorteio provou uma coisa que até agora nunca tinha acontecido: a equipa do pote 1 sendo e melhor desportivamente, é contudo a que tem orçamento mais baixo dos outros potes 2, 3 e 4! Mas também por outro lado, constata-se que por ironia do destino, tal como no ano passado com o Olympiakos, saíram-nos 2 equipas muito representadas por Jorge Mendes e com muitos jogadores que vendemos ou emprestamos. Vieira quer-se ver livre deles mas no final a história dá uma grande volta e voltamos a levar com eles. Espero que este ano, com resultado diferente da época passada....
Por último, houve um novo Benfica – SCP e desta vez, vá lá saber-se porquê, JJ apresentou apenas 1 avançado, Lima contra os 2 que apresentou no jogo da Taça de Honra (com a tal equipa “remendada”). Note-se que prefiro o modelo de jogo com 1 avançado! Apenas registo, por falta de lógica, que se tenha arriscado mais, quando se tinha um plantel de menos valia.
Para variar e com aquela habitual falta de cultura desportiva que os caracteriza, a comunicação social resumiu o jogo ao infeliz lance de Artur, sem frisar de forma semelhante, a enorme intervenção no mn 89 que evitou 1 golo que podia ter ditado a derrota.
A mim pareceu-me que se podem tirar muitas outras conclusões e que não foi pelo enorme erro de Artur que perdemos 2 pontos. Do lado positivo, regista-se a boa qualidade de posse de bola do Benfica e algumas transições rápidas entre a defesa e o ataque. O que permitirá mais tarde, a concretização de mais golos. E daqui vem o lado negativo, a pouca eficácia dos avançados. Quem tem lido os meus textos recordar-se-á que mencionei a estatística dos golos de Lima com Cardozo, e dos golos de Lima com Rodrigo. Para tirar a conclusão óbvia que Lima marcou muito, mas foi com Cardozo: 20 contra 14. Ora sem Cardozo, e sem Rodrigo, que esperar de Lima? 3 jogos, 0 golos!
E daqui tiro outra conclusão mais ou menos lógica. Os assessores de Vieira, que esperaram pela morte de Eusébio para correrem com Cardozo a qualquer preço, terão algum conhecimento de futebol que não seja a arrogância do que concluem quando olham para o seu umbigo?
Um desses idiotas, Rui Gomes da Silva, quando “despacharam” Roberto e contrataram Artur ficou estupefacto (quase sentido) porque lhe disse que íamos perder o campeonato outra vez. E ainda não tinha sequer começado. Segundo ele, tínhamos resolvido o problema da baliza, as coisas não tinham como melhorar...
O problema do Benfica é que os assessores de Vieira continuam a influenciar os destinos da equipa....
Boas férias e até dia 15 ....