Campeões Nacionais 2014/2015

Campeões Nacionais 2014/2015

Siga-nos no Facebook

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

"O águia do graveto"



Portugal 31 de Outubro de 2014

Confesso que ainda sinto uma enorme raiva e frustração pela falta de reacção da Direcção do Benfica, após mais um escândalo em Braga que culminou na primeira derrota e perda de 3 preciosos pontos na luta pela vitória no campeonato. Lembrei-me que tem sido sempre assim, quando somos enxovalhados. Foi no Bessa na época 2001/2002 quando Simão e Mantorras foram “atropelados” dentro da área sem que Proença marcasse os correspondentes penaltys. Foi assim quando Lucílio Batista roubou o Benfica de Jesualdo na Póvoa de Varzim na época 2002/03. Foi assim quando fomos gamados pelo Carlos Xistra em Guimarães na época 2008/09. Ou quando fomos gamados pelo Olegário na mesma Póvoa de Varzim na época 2006/07 num jogo da Taça. Foi assim quando fomos gamados no Bessa, perdemos 3-0 e acabamos com 8 jogadores, na época 2006/07. Foi assim quando este Marco Ferreira nos roubou na Luz com a Académica na época 2008/09. Quando o Jorge Sousa nos roubou na final da Taça com o Guimarães na época 2012/13. Quando o mesmo Jorge Sousa nos roubou em Braga na época 2009/10, o Xistra na época 2010/11 e o Proença na época 2011/12. Foi assim quando o Pedro Henriques nos roubou 1 golo limpo ao mn 94 com o Nacional, na época 2008/09, sem que os jornais lisboetas pusessem a palavra “ROUBO” na 1ª página, Foi assim quando somos agredidos, apedrejados, gozados no Porto e em Braga em particular. No Futsal, no Hóquei, etc.
Mais uma vez a semana passou e tal como previ há 3 dias atrás, do PresiMente nem sinal de vida. Não há uma Casa do Benfica para inaugurar, um livro para promover, uma visita guiada ao estádio da Luz de uma qualquer ilustre comitiva, um apartamento para entregar aos desalojados das enxurradas da Madeira, enfim, na derrota o Sr.º Vieira está sempre ausente e longe das objectivas das máquinas de fotografar ou das câmaras de televisão, como tem sido habitual nestes longuíssimos 14 anos da sua gestão/presiMência à frente do honrado e glorioso Sport Lisboa e Benfica.
Dei então por mim a pensar no link que me enviaram algures entre Março e Abril de 2013, quando todos pensavam que iríamos ser campeões, dada a excelência do futebol que praticávamos. E onde acabamos por não ser por 1 ponto e muita polémica de arbitragem que começou logo na 1ª jornada num Benfica 2 – Braga 2, arbitrado por Soares Dias.
Ora esse link reportava para uma notícia do Diário de Notícias, que por sua vez recordava uma entrevista que o Sr.º Pinto da Costa, o antigo ídolo de Vieira, que em 1 de Abril de 2010 tinha dado à RTP, semanas antes da conquista do brilhante título da época 2009/2010.
Na altura achei de mau gosto a circulação do link, e disso dei conta a quem mo enviou, não só porque dava protagonismo a Pinto da Costa, um presidente derrotado, mas também porque pretendia “emporcalhar” a brilhante vitória do Benfica, contra tudo e todos, como bem sabemos. Aind apor cima, a entrevista tinha sido dada no dia das mentiras. E como tal, arquivei numa pasta qualquer.
Passados uns meses, tive curiosidade em saber que livro era esse do “Águia do Graveto” a que o Sr.º Pinto da Costa se tinha referido (tal como Eugénio Queirós no jornal RECORD, como vim depois a constatar). Coloquei esse título no “google”, fiz uma busca e fiquei siderado com a quantidade de referências que existem desse livro que não terá sido publicado por decisão do Tribunal. Passo alguns excertos.

Narração da personagem “Ondina”, secretária de uma empresa concorrente de pneus, sobre o “Sr. Ferreira”:

"Chegava ao ponto de me detalhar as batotices com que fustigava os clientes, uma das quais me provocou um ataque de riso: as dúzias de dez unidades! Garantia que eram raros os casos em que não resultava."
"Mesmo aqueles clientes que se arrogavam que o senhor Ferreira não tinha capacidade para os enganar foram comidos com facturas em duplicado. Todos os meses se aprontava uma lista de alvos e resultava em mais de 50% dos casos. E muitos receberam produto inferior aquele que lhes mencionavam na factura. Mas não só, também havia casos com a colaboração dos fiéis de armazém e chefes de compras, em que a mercadoria entrava e, em contrapartida, era devolvida outra equivalente à que fora descarregada e o resultado distribuído a meias. Chamava a isto martelar os clientes. Nem a seguradora escapava, com roubos importantes ao armazém, executados pelo segurado, com a conivência do director do multi-risco."
"Por isso é que o Sr. Ferreira reivindicava, com desfaçatez e tola vaidade: "Tenho tudo minado!" (...) Não se importava de baixar preços a um nível ruinoso para obter mais vendas, acreditando que os clientes , ao não sonharem com as manhas do seu funcionamento, lhe permitiriam converter margens negativas em positivas. A rentabilidade é máxima, quando todos pensam que é mínima!"
"Problemas? Acho que não. O chefe de repartição de finanças almoça com o senhor Ferreira e leva o que precisa sem factura. Mas não só, a contabilidade para as finanças é coligida por um funcionário das finanças. É o dois em um, está sempre tudo bem!"
Narração do personagem “Dr. Alfredo” ex-sócio do “Sr. Ferreira”, após descobrir ter sido alvo de concorrência desleal com origem em espionagem comercial.
"Antes colocou em risco a nossa coesão empresarial; agora repete o gesto e faz o mesmo à nossa relação pessoal. O gene da trafulhice está-lhe na massa do sangue, é da sua natureza! A política do vale tudo, do não olhar a meios para atingir os fins é, e há-de continuar a ser, uma constante neste pulha. (...) Tenho constatado que o Kadhafi nos persegue de todas as maneiras possíveis (...)"
Nas afinal, o que é que o livro em que o “Sr.º Ferreira” é o personagem principal, conhecedor de uma infindável panóplia de truques “comerciais” para vigarizar a concorrência e obter proveitos próprios, tem a ver com o Sr.º Luís Filipe Ferreira Vieira? Não sei.. deixo ao critério da imaginação de cada um...

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Bombos da festa...



Portugal 28 de Outubro de 2014

Mais uma vez o Benfica foi o bombo da festa em Braga, cidade onde nos últimos anos têm sido frequentes episódios rocambolescos e autênticos “roubos de igreja”, que a Direcção do Sr.º Vieira vai consentindo, com silêncios cúmplices. Desde a confusão no túnel que valeu um castigo a Cardozo, que nas imagens televisivas não se viu fazer o que quer que fosse, até à falta de Luz que só aconteceu dentro das instalações do estádio, sem que o clube/SAD do Braga fossem penalizados, ao jogo que perdemos com influência do árbitro Carlos Xistra impedindo-nos de obter a 19ª vitória consecutiva em todas as provas, até ao jogo deste fim de semana onde mais uma vez um árbitro, Marco Ferreira desta vez, nos derrotou de forma escandalosa e uma vez mais contando com a cumplicidade do Sr.º Vieira, o maior PresiMente do Benfica.
Seria imbecil da minha parte não relacionar as graves distorções às leis de jogo por parte do árbitro, com os níveis de confiança das duas equipas durante o evoluir do jogo. Começou bem o Benfica, começou mal o Braga. Com o decorrer do tempo e perante as sucessivas agressões ou faltas anti-desportivas não sancionadas, os jogadores do Braga cresceram e os do Benfica encolheram. Isto é básico. É uma lei do futebol: a confiança ganha jogos e os árbitros podem ajudar a aumentar os níveis de confiança, bastando deixar fazer quase tudo a uns, e quase nada a outros.
Este tipo de arbitragem é recorrente contra o Benfica e já tinha sido vista, por exemplo, no Guimarães - Benfica com Quique Flores, onde o “habituée” Carlos Xistra permitiu um pontapé na cara de Suazo, sem punição (nem falta marcou), permitiu jogo violento aos da casa e nada ao Benfica, com o cúmulo de ter expulso Reyes por 2 faltas em dos minutos, sendo que nenhuma delas era passível de penalização disciplinar. Aos de Guimarães, nem os desarmes em “carrinho” eram penalizados, nem um penalty quando Aimar foi ceifado na grande área. Nessa altura ganhamos 2-1, mas tínhamos o Cardozo e agora temos o Lima que tipos muito inteligentes na área de futebol, como o “Shadows” e o “Geração”, do blogue NovaGeraçaoBenfica, sempre defenderam em oposição às criticas que faziam sobre a lentidão de Cardozo e ao fim de ciclo após o jogo da Final da Taça de Portugal.
O Benfica tem de lidar com muitos adversários como sejam os árbitros e os cromos que tem entre os seus adeptos. Adiante.
Marco Ferreira, que só engana os ingénuos e muito distraídos, esteve ao nível do Benfica 0 – Académica 1, também com Quique Flores. Nessa altura, aos 10 mn assinalou 1 fora de jogo sobre Aimar que estava em posição legal de cerca de 2 metros! Era o “sinal” para os jogadores da Académica ficarem tranquilos porque ele e os assistentes, estavam ali para dar uma “ajudinha”. Mais tarde e já com 0-1, anulou um golo limpo a Aimar, considerando ter havido carga de Nuno Gomes sobre o guarda-redes, quando foi este que “aterrou” em cima de Nuno Gomes, fora da pequena área. Depois conseguiu não ver David Luiz ser rasteirado e empurrado dentro da área. Qualquer semelhança com a placagem em Braga sobre Gaitan não é mera coincidência.
Nesse jogo com a Académica, o Benfica de um banho de bola. Pelas alas, pelo centro, com criatividade, com intensidade, o Benfica fez uma excelente exibição. Ninguém pôde dizer que o árbitro errou mas o Benfica também não fez por jogar mais! Não! O Benfica, apesar de ter feito um excelente jogo, perdeu única e exclusivamente por erros do árbitro.
Reacção da Direcção do charlatão que não consegue provar quando é que recebeu o emblema de prata pelos 25 anos de sócio do Benfica? Não houve nessa altura, há quase 7 anos, como não haverá agora. O charlatão não está aqui para defender o Benfica, os seus atletas, os seus adeptos, mas sim para promover uma estratégia que não é dele, mas que ele beneficia, com os negócios que faz com empresários através de off-shores.
Uma vez mais fomos enxovalhados, agredidos, impedidos de jogar e quase “enrabados” como o pobre do Gaitán. Do charlatão PresiMente nem sinal de vida! Da Direcção ninguém fala, nem Rui Costa, nem Soares Oliveira, administradores (bem) remunerados da SAD. Esta é a fotografia do tal Benfica que tem um projecto e um rumo, como não se cansa de repetir a cassete do PresiMente. O silêncio directivo após as várias faltas de respeito demonstradas quer pela equipa do Braga quer pela equipa de arbitragem, são o bilhete de identidade actual deste clube a quem todos xingam e agridem. Até no Hóquei somos agredidos porque ninguém respeita esta “tralha” que se locupletou, por via democrática, do poder no Benfica e que mais não faz do que parasitar os nossos interesses, grandiosidade e volume de negócios gerado.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Primeiro ponto



Portugal 24 de Outubro de 2014

Finalmente conseguimos o primeiro ponto nesta fase de grupos da Champions, e se é correcto pensar que se trata de um resultado positivo, nada vou mudar da minha linha de raciocínio acerca das possibilidades de êxito nesta prova, sobre a qual já escrevi nos textos Champions 1 – Benfica 0 e Champions 2 – Benfica 0.
Tratou-se de um resultado positivo por 4 boas razões: porque foi alcançado em casa de um rival directo, de um rival com orçamento superior, um rival que perdeu 2 pontos, um rival que havia ganho ao Bayer Leverkusen.
Não esquecer o contexto do grupo em que se insere o Benfica, pois – pela primeira vez na Champions – há uma nítida inversão do factor desportivo vs factor económico, e a equipa que saiu do pote 1 no mérito desportivo, sairia do pote 4 no orçamento por equipas. Este facto altera uma série de premissas competitivas e conduz a conclusões pouco previsíveis. Daí que não ser líquido concluir que estamos mais afastados, nem ser líquido concluir que temos agora mais possibilidades de ser apurados.
Claro que para a comunicação social lisboeta, as coisas são diferentes e, segundo a BOLA, o Benfica apresenta pouca vontade na Champions (o SCP com 1 ponto apresenta mais?) ou, RECORD, estamos no vermelho, numa alusão às maiores dificuldades que temos para conseguir o apuramento. O que é curioso é que ambos os jornais de Lisboa “perdem-se” em comentários (?!) de 1ª página junto ao título principal com letras garrafais! A necessidade de passarem mensagens direccionadas é tal, que salpicam a 1ª página com palavreado.
E se compararmos os critérios desses jornais lisboetas, nos jogos que envolvem Benfica e SCP, tiramos conclusões interessantes que confirmam a existência de um critério redactorial pró Sporting. Como tenho referido em muitos textos escritos aqui pelos blogues.
Para o Benfica essas “cagalhetas” de 1ª página enfatizam a fragilidade da equipa por causa do vermelho de Lisandro quando o Benfica mais precisava de atacar (“ah malandro do Lisandro”) no RECORD.  Já a BOLA, o tal PRAVDA segundo Pinto da Costa, sugere haver desinteresse do Benfica na Champions (?!), enfatiza a expulsão de Lisandro (e vão dois jornais contra o Lisandro) e as contas muito complicadas do Benfica.
Ora no caso do SCP o mesmo RECORD enfatiza o “ROUBO” e não tem problemas em colocar a foto do árbitro de baliza que assinalou o penalty da polémica, que sublinham ter sido inexistente, salientam a expulsão do Maurício aos 33 mn (num enquadramento mediático de erros de arbitragem contra o SCP) mais a indignação de treinador e jogadores no relvado. A BOLA enfatiza “ROUBADO” enaltecendo a recuperação do SCP travada por um penalty fantasma.
No caso do SCP, os destaques negativos dos jornais lisboetas foram para factores externos à equipa (erros de arbitragem), no caso do Benfica os destaques foram para factores internos (falta de vontade, fragilidade da equipa por causa da expulsão de Lisandro). Em matéria de destaques positivos, só o SCP tem direito a algumas referências. O Benfica zero.
Tudo isto poderia ser considerado uma ficção de mau gosto da minha parte, se não tivéssemos a derrota do Benfica na final da Liga Europa, como referência. Como é que estes jornais lisboetas trataram esse jogo, onde ficaram 2 penaltys evidentes e outro menos evidente, por assinalar a favor do Benfica? Onde foi evidente a ilegalidade das defesas do português Beto, no desempate por marcação de penaltys, que deu o título ao Sevilha? Ainda se lembram? Eu recordo:
O jornal A BOLA enfatizava “HERÓI DE TURIM” com a foto do Beto em 1º plano, mais a “cagalheta” a referir que “a desilusão do Benfica tem um nome: Beto” (ah, pensei que também era o árbitro). Já o RECORD enfatizou a “MALDIÇÃO” (cheguei a pensar que tinha sido um ROUBO) e Benfica perde oitava final europeia consecutiva. Deram uma “cagalheta” ao Beto que ficou “invicto nos penaltys” (apesar de ter sofrido 2 golos) e às suas palavras “foi especial por ter sido contra o Benfica”.
Ou seja, o Benfica foi roubado de forma escandalosa, numa Final europeia, mas a “nossa” comunicação social (em particular a tal que dizem ser “vermelha”) branqueou e ainda humilhou o clube, equipa e jogadores. O SCP sofreu (mais) um frango do Patrício, mas os erros foram do árbitro que por sinal, marcou 1 penalty a favor do SCP.
Termino recordando o seguinte, que também passou despercebido a esta comunicação social lisboeta e sportinguista. No jogo com o Zenit, tivemos um jogador expulso e houve 1 penalty claro por assinalar a nosso favor, com 0-2, quando dominávamos o jogo e podíamos recuperar no marcador. Contra o Leverkusen a reacção do Benfica, após o 2-1, foi travada por 1 penalty fantasma, seguido de 1 penalty não assinalado a nosso favor sobre Luisão. Contra o Mónaco acabamos com 10 jogadores. Erros a favor do Benfica? Zero. Penaltys assinalados a favor do Benfica? Zero. Primeiras páginas dos desportivos lisboetas referindo os erros de arbitragem que penalizaram o Benfica? Zero.
Um “zero” igual ao respeito que têm pelo nosso clube, equipa e massa adepta.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Jardel e Eliseu

Quem achar que os culpados por o Benfica estar a sofrer mais golos e a permitir mais situações de golo são o Jardel e o Elieseu, na minha opinião, estão completamente errados!!!

O culpado é, primeiro JJ e depois Samaris. Eu explico... Primeiro JJ porque ele sabe muito bem que Samaris não está ainda preparado para ser o 6 que este sistema pede, ou seja, um 6 que "varra" tudo no meio campo, que saiba ocupar e pisar os terrenos que JJ pretende. Quem deveria estar a jogar a 6 era o André Almeida!!! Depois Samaris, e não está em causa a qualidade do jogador, mas sim as suas caracteristicas e a sua falta de rotinas para fazer os posicionamentos e os movimentos que JJ pretende, principalmente defensivamente.

Samaris é mais um 8 do que um 6, uma espécie de Matic e como aconteceu com Matic, terá de ser "formatado" para a posição 6 que JJ pretende neste sistema de jogo. Acontece é que Samaris está longe de oferecer o que ofereceu Javi, Fejsa e André Almeida. Se com Matic a coisa ia funcionando porque tinha já 1 ano de Benfica e de JJ, acontece é que Samaris chegou há pouco tempo e sem pré-época com JJ e isso está-se a reflectir. Muitos acham que foi por causa de Oblak que o Benfica ficou mais forte defensivamente o ano passado, pois eu digo que foi porque Fejsa, um 6 de raíz, foi para o meio campo quando Matic saiu. Veio dar mais agressividade e melhores posicionamentos nas transições ataque-defesa.

O que JJ não deveria ter feito era ter tirado o André Almeida de titular!!! Sempre disse, e mantenho, que André Almeida é um excelente trinco!!!

Nos 4 jogos oficiais com André Almeida a trinco sofremos 1 golo, com o Sporting, e poucas situações de perigo permitíamos aos nossos adversários. Nestes mesmo jogos, Jardel e Eliseu foram titulares...

Nos 4 jogos seguintes sem André Almeida e com Samaris sofremos 5?! golos, sem falar autênticas avenidas no meio campo... Nestes jogos, Jardel e Eliseu foram titulares... Nos jogos em que Samaris foi titular sofremos 8 golos!!

Agora basta tirarem as vossas conclusões... Não está em causa a qualidade de Samaris, que é um excelente jogador, simplesmente não está ainda a interpretar correctamente aquilo que um 6 deve fazer neste sistema de JJ. Será que foi Jardel e Eliseu que decidiram dar "casas" quando andaram 4 jogos num nivel alto? Samaris é, para mim, o natural substituto de Enzo e não de Fejsa!!




Resumo do fim-de-semana

Como não deu para escrever logo após o jogo, faço agora um pequeno resumo...


Benfica 4 vs. Arouca 0

Fizemos uma exibição inconstante e permitimos demasiados contra-ataques com finalização. Não fosse o Artur teríamos sofrido no mínimo um golo. Mais uma vez foi o puto Talisca que desbloqueou o jogo mas já sabemos que como não veio da nossa formação é totalmente desvalorizado e tem ainda de provar que é bom nos jogos com grandes equipas. Fosse um puto qualquer do Seixal a fazer o mesmo que ele tem feito e já seria considerado o novo Ronaldo... Para a comunicação social é a mesma coisa... Fosse o puto das escola da maior comédia nacional e já estava entre os 5 melhores jogadores do planeta... Continuamos a permitir demasiados contra-ataques perigosos e quem acha que é por causa do Jardel ou do Eliseu não percebe um cu de futebol... Explicarei num outro texto...


Corruptos 2 vs. Pedreiros 1

Por mim podiam perder os dois por 15 a 0!!! Quem pensava que os corruptos iriam perder pontos novamente é porque não conhece o futebol tuga. As queixas do Conceição não são novidade para ninguém, nem mesmo para o Conceição e sinceramente... Ele que se f?%&da!!! Andou anos a vencer títulos ás custas de arbitragens vergonhosas, como tal, agora que aguente e que meta vaselina...


Penafiel 0 vs. "naval" 4

Estes, no meu entender, já não contam para as contas do titulo... São 13 anos a ver bonés e muitos mais se seguirão... Só têm aquilo que merecem!!! O que vai safando o cara de cu é que têm uma comunicação social amiga... O que se diria do Benfica se por esta altura já estivéssemos a 6 pontos do primeiro lugar... Eram programas e programas sobre a crise no Benfica, seriam páginas e páginas a dissecarem a crise que abalou o Benfica, já teriam entrevistado tudo o que mexe, como é a "naval" parece que não se passa nada e que vão isolados em 1.º lugar... Venceram? Parabéns!!! Boa sorte na luta pelo 3.º lugar!!!



sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Em surdina....



Portugal 3 de Outubro de 2014

O CM lançou hoje a próxima novela em torno do treinador do Benfica, como aliás anda há anos a fazer através de artigos de opinião ou notícias “maquilhadas” e sempre orientadas contra o treinador. Não contra a Direcção e Vieira pois como se sabe, a Cofina tem boas relações com eles e até promoveu Pedro (em) Guerra (com todos), um “talibã” vieirista que já se deu ao desplante de ligar para a BTV com nome camuflado, apenas para tecer loas à gestão do muito ilustre, nas palavras dele, Filipe Vieira. Que já agora, também é quem lhe paga o salário na BTV.
De acordo com a “notícia” do CM, subscrita por António Pereira, que só por mero acaso é adepto do SCP, Jesus está a ser contestado em surdina pela forma como tem abordado a participação do Benfica na Champions. Segundo “testemunhos” que o jornalista do SCP conseguiu obter, em surdina, criticam o facto de manter o modelo de jogo do campeonato nacional na Champions League, sugerem que os jogadores têm uma atitude passiva nos jogos por causa do discurso do treinador, e outros ainda questionam as exibições de Júlio César, Jardel e Cristante embora refiram que eles não são os maiores culpados.
Como alguns sabem e muitos mais continuam a não querer saber, esta malta da comunicação social move-se bem entre as hostes benfiquistas, sabendo quem devem e que não devem contactar, sempre que alguma coisa corre mal. No que diz respeito ao futebol, a perspectiva é sempre empolar o que está mal, para criar a confusão generalizada e impedir que se pense racionalmente na procura das melhores soluções.
No Benfica há quem goste deste estado de coisas. Em particular a Direcção, pois enquanto a comunicação social “bate” no treinador e nos jogadores, não bate nas opções de gestão e de estratégia dessa mesma Direcção. Parece até haver um pacto com a comunicação social: “quanto à equipa de futebol, sirvam-se. Quanto à Direcção alto e pára o baile”.
Voltando ao jogo da Alemanha, é bom recordar que em mais de 50 anos, apenas por 2 vezes ganhamos lá, ambas com Jesus a treinador e Cardozo a marcar golos (Estugarda e Leverkusen). Contra o Bayer também jogaram Garay, Luisão, Urreta, André Gomes, Gaitan, Melgarejo, Matic, Ola Jonh e Artur Moraes. Suplentes utilizados, Enzo Peres, Lima e Sálvio.
Claro que na perspectiva dos que criticam Jesus em surdina, antes do jogo este seria um 11 de “invenções”. Urreta em vez de Sálvio? André Gomes (2 anos mais “puto”) em vez de Enzo Peres? Ah, ganhamos e como tal, Jesus não inventou. Pelo contrário, descobriu os talentos de Urreta e André Gomes. Se não ganhasse, já tinha inventado. O benfiquista da “surdina” é apenas um mau adepto, pouco sabedor das coisas do futebol mas com mania que sabe.
Também é bom lembrar que essa equipa que ganhou lá, tinha saído da Champions e como tal, levava muitos jogos em cima das pernas. Ao contrário da que agora perdeu 3-1, que fez apenas o 9º jogo oficial com metade da equipa sem ter feito a pré-temporada (Luisão, Jardel, Cristante, Samaris e Júlio César), ou terem jogado pouco tempo nesses jogos (Derlei)!
Mas os da surdina, os mesmos que alimentam a critica que nos consome, há anos, acham que nada disto é relevante. E que o ordenado de Jesus é suficiente para transformar Jardel em Garay, Cristante ou Samaris em Matic ou até Fejsa, Talisca em Cardozo. Mas não é! E o stock do “manel” esgotou...
Mas o mais surpreendente dos críticos da surdina, é contestarem Jesus por usar a mesma táctica nas competições nacionais, e nas europeias! Depois de 5 anos à frente do futebol do Benfica, só agora repararam! Mas foi com essa forma de “armar” as equipas que perdemos 4-1 em Liverpool, 2-0 no Shalke04, 3-0 com o Happoel, 2-1 em Moscovo contra o Spartak e na época passada empate 1-1 em casa e derrota 1-0 fora contra o Olimpiakos. Infelizmente nessa altura ninguém reparou, excepto eu e mais uma meia dúzia de adeptos atentos!
Mas não foi por aí que perdemos e que demos uma má imagem do Benfica. Como já tínhamos dado na tal pré-temporada que os avençados da BTV e alguns comentadores “lambe botas” defendem como tendo sido positiva. Perdemos e vamos perder mais vezes, na Champions pelo elevado grau de dificuldade da prova, neste ou noutro grupo, uns mais outros menos, porque na alta competição não há lugar para amadorismos na preparação das equipas, nem lugar para quem acha que num ano pode levar uma equipa, e noutro levar outra que é 50% diferente e mais barata.
Isto é que se devia discutir, não em surdina, mas alto e bom som, para que se pudesse avaliar qual o modelo desportivo e futebolístico do Benfica e porque para além de se vender quase todos os jogadores que são interessantes para o mercado do futebol, ainda se “dão” praticamente dados, sem explicação plausível, jogadores de categoria mundial como Garay, e jogadores importantes na manobra atacante do Benfica, como Cardozo, para apostarmos em César da 2ª divisão brasileira, e Talisca (4 milhões) que não é um jogador posicional como Cardozo (para além de ser jovem e estar em fase de aprendizagem do rigor táctico do futebol europeu).

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Champions 2 - Benfica 0



Portugal 2 de Outubro de 2014

Há tempos quando escrevi o texto Champions 1- Benfica 0, houve uns poucos leitores que interpretaram mal as minhas ideias e partiram para a critica fácil do bota-abaixo. Sempre que critico o amadorismo ou oportunismo da gestão do Benfica, com particular ênfase ao papel que o Sr.º Vieira está a desempenhar, parece que mexo num saco de vespas, tal a agressividade dos comentários que recebo em troca.
Mas o que escrevi na altura abria as “portas” para explicar não só a derrota com os alemães, mas a má Champions que vamos fazer esta época e que corre o risco de ser mesmo a pior de todas as nossas participações no actual figurino de competição, igualando o último lugar do FCP em 2005/2006, ou o recorde negativo do SCP de ter feito o pior registo de todas as equipas na fase de grupos com apenas 2 pontos, que obviamente também deram o último lugar. Oxalá esteja enganado...
Escrevi então “de acordo com a minha maneira de ver o futebol, há vários factores a considerar que enfraqueceram a equipa. Como sejam o “enésimo” desarranjo do plantel pelas tais necessidades de venda de jogadores e a contratação de alguns jogadores, dos quais só Talisca conseguiu fazer a pré temporada”.
A derrota de ontem, confirma uma vez mais, não pelo resultado mas pela exibição da 1ª parte, que estou muito perto das explicações correctas para os maus resultados. De facto não passa pela cabeça de ninguém, excepto pela dos iluminados dirigentes do Benfica, seus assessores e apoiantes nos blogues, que se aborde uma fase de grupos da Champions, com intuito ganhador, com um 11 base que não fez pré-temporada. Isto é, alguns fizeram, outros não porque ainda não tinham sido contratados, outros também por lesões, e outros por opção técnica.
Em 1º lugar, se repararmos bem, contrastando com os 8 jogos da pré-temporada, Cristante fez ontem o 1º jogo a titular (?!), Samaris tem 4/5 jogos a titular, Luisão e Jardel vão no 9º jogo. Jogadores que ocupam a fundamental posição 6 ou o lugar de defesas centrais, só agora estão a fazer a sua “pré-temporada”. Mas com a competição a sério, cada erro tem implicações graves. E o que se vê na Champions é que isso resultou em duas derrotas, zero pontos, zero euros e auto estima em baixo.
Em 2º lugar, constata-se que a deficiente organização de jogo do Benfica, por mim tantas vezes referida quando digo que temos uma percentagem elevada de primeiros golos de iniciativa individual e não de movimentação colectiva, se deve à falta de Cardozo no ataque e de Garay na defesa, porque ambos (juntamente com Luisão e o 6) definiam um eixo entre a defesa e o ataque, sobre o qual se organizavam os demais jogadores e como tal, todo o jogo do Benfica. Cardozo segurava 2 defesas e com isso impedia que eles subissem no terreno e fossem ajudar o meio campo, pelo que o nosso meio campo com a qualidade que tem, conseguia ser muito mais eficaz a construir processos de jogo e a destruir jogo adversário, do que agora. Garay na defesa tomava decisões mais correctas no que respeita aos passes e à colocação no terreno, do que Jardel que sendo bom no desarme, fica aquém de Garay na forma com pensa o jogo.
Em 3º lugar, constatei uma vez mais que apesar de marcar muitos golos (e que assim continue) Talisca é “menos um” quando não temos a bola. É um jogador que não sabe pressionar o adversário e que não sabe fazer zona para interceptar linhas de passe! Com menos 1 a defender, numa Champions é complicado. Por cá vai disfarçando com os golos que marca. Foi substituído duas vezes na Champions, resultando daí um melhor padrão de jogo da equipa.

Em 4º lugar, a contratação de Júlio César, por verbas não divulgadas e que se adivinham elevadas (rompendo o tecto salarial que tanto se apregoa), vem comprovar o amadorismo e desespero da Direcção de Vieira. Artur Moraes já no Braga era suplente do Felipe, até que mandaram este embora. O promovido Artur Moraes sofreu uma média de golos ligeiramente superior à de Roberto, que foi o 2º melhor guarda-redes esse ano, na Liga. Não se compreende que passasse de suplente de Felipe para titular do Benfica. Mas os iluminados da Direcção do Benfica e seus apoiantes na comunicação social e blogues, viram ali “a resolução do problema da baliza” (palavras do Dr.º Rui Gomes da Silva em conversa telefónica comigo). Contudo, sendo guarda-redes do Benfica devia ser protegido nos maus momentos. Ora acontece que Artur Moraes, neste início de época, fosse pela saída da sombra Oblak ou por outra razão qualquer, estava muito bem. Defendeu os penaltys que nos permitiram ganhar a Supertaça e defendeu 1 penalty com 0-0 no jogo frente ao Paços de Ferreira. Sofreu um golo ao 3º jogo, por erro seu, é certo, mas esteve cerca de 200 mn sem sofrer golos. Como no Benfica a ingratidão anda de braço dado com a burrice, a especulação da comunicação social e dos blogues levou-os a fazer mais uma gentileza aos que atacavam Artur Moraes. Resultado: Júlio César aguentou 17 mn sem sofrer golos na Liga, e ontem, como se viu no 1º golo, defendeu para a frente oferecendo um golo ao adversário.
E ainda faltava falar de arbitragem e dos dois penaltys que tiraram ao Benfica nestes dois jogos, mais 1 penalty assinalado contra que não era. E não estamos a falar de lances difíceis de ver! Mas como Vieira nada diz, passemos adiante. Ora neste cenário que atrás descrevi mais as arbitragens que o Benfica nunca contesta, o que podemos esperar para o próximo jogo? Não me parece difícil adivinhar...

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Terminou a excursão à Alemanha

Acabou mesmo à pouco a excursão que os jogadores foram fazer à Alemanha.

Depois de assistir ao que assisti só tenho uma coisa a exigir à equipa no próximo jogo com o Arouca... GOLEADA!!! O JJ rodou alguns jogadores e com a passeata que fizeram em campo, devem estar bem fresquinhos para o jogo com o Arouca.

Eu sinceramente quero vencer o campeonato dê por onde der mas temos de mostrar mais alguma coisa na Champions. Se bati palmas de pé à equipa depois da exibição frente ao Zenit, agora tenho de lhes puxar a orelha. Eu sou dos que aceito sempre uma derrota quando vejo que a equipa fez tudo e hoje não fez. Posso estar a ser injusto e as coisas só terem corrido mal mas vi muita displicência e falta de concentração na maioria dos jogadores.

Esta derrota em nada abala a confiança que tenho na equipa mas temos de fazer bem melhor nos futuros jogos da Champions.



O milagre de Nuremberga...



Portugal 1 de Outubro de 2014

Há não muitos anos atrás, época 2007/2008, com Camacho no comando da equipa, o Benfica conseguiu apuramento “in extremis” para a Liga Europa a partir da Champions, através de uma vitória fora, na casa gelada de um Shakhtar Donetsk que tinha investido mais de 40 milhões de euros em contratações, como Brandão, etc., e tinha ambições na Champions. Esse Shakhtar era treinado pelo mesmo Lucescu que ainda hoje é o treinador da equipa.
Claro que se fosse no Benfica, apareceriam – dentro e fora do Benfica - os inteligentes do costume pondo em causa a continuidade do treinador, por causa de um fracasso na Champions, num grupo que considerariam “acessível”. E de facto ao Shakhtar o empate bastava, mas o Benfica de Cardozo (lá estou eu outra vez) e Di Maria, entre muitos outros, conseguiu ganhar 2-1 apesar da neve.
Vem isto a propósito de relembrar esse jogo em Nuremberga, que a comunicação social lisboeta antes do jogo equiparava ao “julgamento de Nuremberga”, como se fosse possível estabelecer qualquer comparação entre os sujeitos que na altura foram julgados, e o Benfica. Mas como bem sabemos, o Benfica é dirigido por gente que não se preocupa com estes “pormaiores”, apenas lhes preocupa o que dizem deles, quando as referências não são positivas.
Ora nesse jogo, as coisas não estavam a correr bem. Com 0-0 ao intervalo e 5 portugueses no onze, sofremos 2 golos no inicio da 2ª parte, um deles numa distracção de Luis Filipe que bem podia ter sido avisado quer pelos outros colegas da defesa quer pelo próprio Quim. A perder 2-0 e tendo ganho na 1ª mão por 1-0, a eliminatória estava perdida. Camacho meteu então Cardozo ao mn 70, por troca com Maxi Pereira e Di Maria ao mn 80 por troca com Nuno Assis. Também Camacho parecia não perceber bem quem tinha na equipa, uma vez que Cardozo foi suplente de Makukula, e Di Maria foi suplente de Katsouranis.
E foram estes dois grandes jogadores que resolveram a eliminatória, com dois golos nos últimos 3 minutos de jogo, colocando o Benfica nos oitavos de final da Liga Europa.
Visão que a comunicação social lisboeta teve no dia seguinte: o milagre de Nuremberga! A vitória foi de tal modo mal digerida, quando seguramente, os títulos já gozavam com a eliminação do Benfica, que foi comparada a um milagre. Porque o Benfica só consegue estes resultados sensacionais, com intervenção “divina” entenda-se...
Ora comparando com o FCP de ontem, em Lviv, ou seja, o jogo foi em campo neutro apesar de se ter disputado na Ucrânia, houve algo de semelhante a esse Benfica de Nuremberga, uma vez que o FCP estava a perder 2-0 aos 85 mn e conseguiu, muito por culpa de 1 penalty oferecido por um defesa, empatar o jogo com ajuda de um jogador que saltou do banco: Jakcson.
Semelhanças do jogo com o do Benfica? Mais que muitas! Critérios da comunicação social? Muito diferentes.
Agora já temos o FCP que “nunca desiste”, o Jakcson que “saltou do banco para resgatar 1 ponto”, um “incrível empate”, etc. Intervenção divina? Milagre? Nada disso: tudo obra e graça do trabalho, do empenho, da qualidade dos jogadores do FCP. Escrever o mesmo do Benfica parece ser proibido, ou ser uma regra que tem de ser respeitada pelos jornalistas.
Obviamente que para a Direcção do Benfica isto é normal, como normal é vermos a disparidade com que estes mesmos critérios, arranjam penaltys em Portugal ao FCP e não arranjam ao Benfica, mesmo que os lances em que o Benfica sai prejudicado sejam mais evidentes. Já para não falar do prejuízo que esta forma de ver o futebol tem na auto estima de adeptos e jogadores do Benfica, e na promoção da auto estima e confiança dos adeptos e jogadores do FCP...