Campeões Nacionais 2014/2015

Campeões Nacionais 2014/2015

Siga-nos no Facebook

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Muito preocupado - Parte I

Desculpem mas só ontem voltei de férias e como tal irei falar nos jogos na globalidade e naquilo que acho que está mal mas para já vou falar num tema que me está a começar a preocupar muito... A arbitragem!!!

Estamos na 3.ª jornada e já vi o Sporting a vencer ao minuto 92 com um lançamento irregular a resultar num lance em que uma falta contra o Sporting é transformada em penalti e hoje o Sporting voltou a ter uma arbitragem amiga no penalti e num fora-de-jogo muito mal tirado a um jogador da Académica que ficava cara a cara com Rui Patrício.

No sentido inverso vi o Benfica perder em Aveiro com o Arouca onde ficou um penalti clarissimo por assinalar por falta sobre Mitroglu e um lance que daria golo interrompido pelo arbitro por um motivo que só ele saberá. Ontem vi o Benfica vencer com dificuldade o Moreirense e onde o Moreirense marca um golo em fora-de-jogo de quilómetros e, mantendo o critério do árbitro de hoje em Coimbra no penalti sobre Slimani, um penalti por marcar por puxão a Mitroglu. Isto tudo sem falar nas constantes perdas de tempo dos jogadores adversários. Nos jogos do Sporting não viu este comportamento dos seus adversários...

Não, não vou falar no Porto porque não vi nada deles de especial em relação à arbitragem e porque o que estou a  notar é que tudo está a ser feito para que o Sporting não caia, para que se questione ao máximo o trabalho de Vitória e se enalteça o de JJ, os Russos é que estragaram isto tudo.

Espero que o Benfica esteja bastante atento a isto tudo porque o Benfica não está a jogar bem e quando assim é fica mais exposto aos erros de arbitragem e é por aí que eles estão a tentar empurrar o Benfica para baixo. O Sporting e o Porto não estão a jogar muito melhor que o Benfica, basta ver os jogos do Porto e as assobiadelas que levam todos os jogos e ver as dificuldades que o Sporting tem para vencer os seus jogos, valendo-lhes um erro de arbitragem para terem mais pontos que o Benfica, senão teriam agora 4 pontos...


quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Fala o roto do mal remendado

Nesta coisas das trocas de palavras entre João Gabriel e o gordo nojento não há coitadinhos... Estão bem um para o outro!!!

O João Gabriel não tinha nada que dizer aquilo que disse. O que o Benfica tinha de fazer era emitir um comunicado a explicar o motivo pelo qual o salário não foi pago e lamentar que o jornalista que avançou com esse facto não conseguiu contactar ninguém do Benfica e assim ficar a saber que estavam a decorrer negociações entre Benfca e JJ relativo á questão do contrato de trabalho e que agora vai tudo ser resolvido pelos tribunais. O Benfica não deve andar em peixeiradas com gente da estirpe do gordo nojento porque eles vencem sempre por experiência.

O gordo nojento também não tinha nada que vir falar no Benfica porque o diferendo é entre o JJ e o seu antigo patrão, o Benfica. Se alguém deveria reagir seria o advogado ou representante de JJ. O gordo nojento achou que devia tomar as dores do JJ e teve as declarações lamentáveis que teve, mentindo, como é seu hábito, sobre muitos factos sobre a vida do Benfica. Eu já disse, sempre que o bom nome do Benfica é colocado em causa, as pessoas que o fizeram deveriam ir a tribunal provar o que disseram. Isso de dizer que o Benfica mente nos campeonatos, quando é a FPF e a Liga que fazem uma contabilização oficial e não o Benfica, que o Benfica mente no número de sócios, quando nos estatutos do clube só de 10 em 10 anos se faz a actualização do números de sócio(no Sporting faz-se o mesmo mas em menos anos, penso eu) e que é normal que os sócios sejam menos que a numeração indica(o badocha nojento pensa que tem 120 mil sócios pagantes, pois não querias), que diz que mentimos sobre a data da nossa fundação, que damos instruções a jornalistas para escreverem por encomenda e etc... Para mim isto são declarações muito graves sobre uma instituição centenária e cotada em bolsa. Fosse eu presidente e iria sentar aquele cu gordo e sodomizado nos tribunais competentes para provar todas as alarvidades que disse!!! Mas parece que no Benfica gosta-se mais de peixeiradas...

O Benfica, em especial João Gabriel, que se deixe desse discurso brejeiro e de baixo nível que muitas utiliza porque isso não é Benfica. Façam o que for preciso para defender os interesses do Benfica mas façam-no de forma positiva, façam-no nas instâncias próprias e comuniquem de forma correcta e civilizada. Para explicar uma qualquer noticia falsa que surja não é preciso tecer considerações deselegantes aos envolvidos, assim perdemos a razão de falar da forma de baixo nível que os outros actuam.

Mais contenção!!!



terça-feira, 18 de agosto de 2015

Falar em aposta na formação é prematuro


Para já, miúdos da formação que foram aposta, só o Guedes... O Nelson Semedo chegou ao Benfica com 18 anos e o Victor Andrade o ano passado, por isso não os posso considerar formação mas é uma aposta na juventude que anda a crescer na equipa B.

Da formação estão ainda no plantel o Guedes, o Teixeira, o Nelson Oliveira e o Nuno Santos. Nenhum destes jogadores tem ainda garantida a permanência no plantel, portanto, falar em aposta na formação é prematuro. Podem falar em aposta de jovens que se destacaram na equipa B, mas da formação ainda é prematuro... Estou a falar de jovens da formação porque depois temos o Paulo Lopes e o Sílvio que também são da nossa formação mas já não são nenhuns jovens.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Vitória importante

Uns irão ver o copo meio cheio, outros meio vazio eu vou vê-lo como meio copo mesmo. Nem tudo foi mau e nem tudo foi bom!!

Uns estão encantados com Mitroglou, eu achei que ele esteve quase sempre fora do jogo, o que é normalíssimo para quem chegou há uma semana e ainda não está com os níveis físicos que se desejam e prova disso foram 2 ou 3 lances que falhou e que em condições normais o mais provável era as redes abanarem.

O Benfica continua a perder bolas no meio campo não porque o seu adversário pressionou muito, não porque os jogadores foram desarmados mas porque se falharam passes de 5/10 metros, passe falhados devida única e exclusivamente a falta de concentração.

O Pizzi não esteve bem no jogo, nunca conseguiu pegar na batuta da equipa, nunca conseguiu "comer" metros com bola mas não concordo com muitos que dizem que Pizzi não é jogador para o Benfica. Para mim é um excelente médio para o Benfica e para a selecção!!!

O Talisca entrou bem e mexeu com o jogo e conseguiu fazer aquilo que Pizzi nunca conseguiu. Não sei que ideias terá Rui Vitória para Talisca, se falso extremo, à imagem de Gaitan, se 10 quando jogarmos em 4x2x3x1 ou como segundo avançado. Na minha opinião o Talisca tem de ter sempre bola no pé e de jogar de frente para o jogo, nunca pode jogar como segundo avançado num sistema em que tenha de receber a bola de costas junto aos centrais. Talisca terá sempre de ser um Gaitan, um 10 a pegar o jogo de trás ou na ala a aparecer no meio a organizar.

O Jonas ainda está longe da sua forma... Ainda perde muitas bolas que raramente perde e erra passes que normalmente não erra. Não não errou naquilo em que é mestre, a meter a bola nas redes.

Os dois miúdos são bons mas como Rui Vitória disse, e muito bem, são ainda uns protótipos. Estiveram bem na generalidade mas ainda cometem alguns erros. O Nelson Semedo vai-se fazer jogador e no final da época ninguém se lembrará de Máxi mas ainda tem deficientes posicionamentos defensivos, principalmente em transições defensivas.

O Lisandro ganhou a titularidade a Jardel!!!! 

Os processos defensivos ainda não estão muito bem trabalhados porque continuamos a dar muito espaço e somos pouco agressivos. As bolas perdidas em fase de construção também não ajudam nada e apanham sempre a equipa desprevenida mas há pormenores que têm de ser limados. Os adversários estão a ter muita facilidade em encontrar espaços para rematar à nossa baliza. Sinceramente penso que Fejsa ainda não tem o andamento de Samaris, para mim seria Samaris o titular.

O processo ofensivo não esteve muito mal. Por vezes fomos nós que complicámos as coisas com toquezinhos que não dão em nada. Faltou mais velocidade e um Mitroglou mais por dentro no jogo, a aparecer mais, a dar mais apoios frontais mas isso só vai acontecer com o tempo porque ainda agora chegou ao clube.

Depois deste jogo, na minha opinião, precisamos de um lateral esquerdo e de um "Pizzi". Não precisamos de mais avançados nem de extremos!!! O Ola John, Taarabt, Gaitan, Guedes, Victor Andrade, Carcela, Nuno Santos, Bilal(se se confirmar o seu talento) e Salvio a partir de Janeiro servem perfeitamente.


sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Sobre a Supertaça


Devido a férias só agora é que venho falar sobre o jogo da Supertaça.

O que irei escrever é única e exclusivamente sobre o jogo em si e não sobre o actual estado da equipa do Benfica, texto que publicarei mais á frente.

Sobre o jogo tenho a dizer o seguinte:

Jogo em si: Não foi um jogo muito bem jogado, mas sim muito disputado!! Muitos querem passar a imagem de um jogo super-desequilibrado, dominado por completo pelo Sporting e com um Benfica completamente perdido e manietado. Quero dizer que não concordo na totalidade com este tipo de análise!! O Sporting venceu bem a Supertaça porque foi capaz de fazer um golo, mesmo ás 3 tabelas mas foi um golo. O Sporting deve ter tido mais 1 ou 2 situações de golo que o Benfica, não foram muitas durante o jogo. Situações de perigo, ou jogadas perigosas o Sporting teve mais mas foram sempre resolvidas de forma brilhante pelo Benfica, assim como as jogadas de algum perigo do Benfica foi bem resolvidas pelo Sporting. O jogo foi sempre muito equilibrado e dividido e é isso mesmo que dizem as estatísticas. Foram cinco remates para cada lado, em que 2 do Benfica foram á baliza do Sporting e 3 do Sporting á baliza do Benfica. Na posse de bola temos 55% o Sporting e 45% para o Benfica, o que se traduz em 49,5 minutos de posse de bola para o Sporting e 40,5 para o Benfica, uma diferença de 9 minutos, alguns deles em trocas de bola entre os centrais após o golo.

Benfica: A diferença entre o Sporting e o Benfica foram duas... Uma foi a visível diferença de "andamento" entre o Sporting e o Benfica. O Benfica pagou a factura de ter ido ganhar 3,5 milhões de euros para um clima "assassino" com viagens longas e desgastantes, ainda para mais em fase de pré-época. A equipa chegou na segunda-feira à noite, teve folga na terça-feira e a partir de quarta-feira foi para preparar a Supertaça e recuperar as mazelas da digressão, ou seja, foram 4 dias para fazer tudo isto... A segunda foi aquilo que eu sempre disse, e mantenho, de JJ... O seu modelo de treino é absolutamente fantástico porque os jogadores assimilam as suas ideias de jogo de forma muito rápida. Foi assim no Benfica e está a ser assim no Sporting. O Benfica mostrou que ainda está longe das ideias que certamente Rui Vitória tem para a equipa. O Gaitan jogou muito "preso" na ala, o Talisca nem foi 10 nem segundo avançado, o dois médios centros são muito iguais e Samaris não conseguiu criar jogo nem transportar jogo da forma que faz Pizzi e quem sofreu com isto tudo foi mesmo o Jonas que andou numa autêntica "luta" com os centrais do Sporting quase sempre em lances de cabeça. O Rui Vitória errou na abordagem ao jogo, na escolha do 11 e na forma da equipa jogar. O Talisca tem de ter bola no pé, tem de jogar de frente para a baliza adversária, tem de ser mesmo um 10, tem de baixar mais e organizar jogo a par de Pizzi. Quando Gaitan vem ao meio, Pizzi ou Talisca "fogem" para os corredores, a equipa não pode ser tão estática. Foi nisto que o Benfica falhou!!! Não houve dinâmica, não houve quem organizasse e transportasse o jogo do Benfica e quando Pizzi entra a diferença notou-se mas, se calhar, se o Talisca baixasse um pouco mais para junto de Samaris e os dois organizassem jogo, o Benfica desenvolvida outro futebol ofensivo. Defensivamente não estivemos horríveis mas há posicionamentos que têm de ser corrigidos. A linha de fora-de-jogo quase nunca surtiu efeito, as bolas colocadas entre os centrais e os laterais foram uma constate, aqui os laterais têm de fechar mais por dentro, e a pressão ao portador da bola foi quase inexistente.

Sporting: O Sporting apresentou-se à Benfica como seria de esperar. Tiveram uma ou outra jogada bem delineada, mostraram estar melhores fisica e tacticamente mas ainda cometeram muitos erros, principalmente defensivos. Um Benfica com outro andamento poderia ter feito estragos!!! Apesar de algumas dificuldades ainda, e ao contrário do Benfica, percebeu-se a sua ideia de jogo, percebeu-se que a equipa sabia o queria fazer com a bola e sem ela, apesar de muitos erros ainda que levaram algumas vezes JJ ao desespero. Ainda há aquela tentação dos laterais de centrarem a bola sempre que a recebem na linha á procura de Slimani, com JJ o lateral tem jogar mais curto, muitas vezes ir por dentro. Uma boa entrada na segunda parte, já tinha sido assim na primeira parte, foi o suficiente para fazerem um golo ás três tabelas.

Arbitragem: Na minha opinião uma má arbitragem!!! O Adrien jamais acabaria o jogo se o árbitro cumprisse as regras, o mesmo para o Silvio e ao Slimani dou o beneficio de ser avançado e depois de um amarelo um avançado só vê outro se for mesmo muito burro. O lance em que é supostamente invalidado um golo ao Sporting não sei se o auxiliar marca fora de jogo ou dá a indicação que a bola fez um arco por fora aquando da marcação do canto, o que me pareceu que aconteceu efectivamente. Ficou um penalti claro por marcar a favor do Benfica por falta clarissima sobre Gaitan. Se alguém se pode queixar é o Benfica que viu um penalti não marcado. O lance do Sporting, a bola fez um arco por fora, portanto, deveria ter sido pontapé de baliza. Não creio que o árbitro quisesse prejudicar propositadamente o Benfica senão tinha validado o golo ao Sporting.


terça-feira, 11 de agosto de 2015

Super...



Portugal 11 de Agosto de 2015

Ainda não recuperei a serenidade intelectual após a derrota na Supertaça, em particular da forma que aconteceu, para poder fazer uma análise à mesma. Pelo que para já limito-me a fazer umas colagens de coisas que escrevi nos últimos dias. E anos, embora nessa altura, não neste blogue.
“Os resultados (da pré temporada) não são os que os fervorosos adeptos da teoria, “o sucesso pertence à estrutura”, estariam à espera. Mas a mim não me surpreendem de todo. Não defendi Jesus por acaso, não sou idiota para guerrear com muita gente da blogoesfera por questões irrelevantes. Jesus foi um “achado” que conseguiu ter sucesso por um vasto conjunto de razões, das quais mais de 90% residiam no seu conhecimento do futebol português e no seu carácter”. Texto: “Medíocre” publicado em 29 de Julho
“Comparar os 60 anos de Jesus com os 45 de Vitória é um indicador de que as coisas não vão correr bem. A liderança não será como já foi. E os teóricos dos lugares comuns, os que criticavam Jesus pelos seus erros e raríssimas vezes lhe reconheciam méritos pelos sucessos da equipa, irão “sofrer” muito este ano”. Idem
“Gostaria de estar errado, mas antevejo uma época igual a qualquer uma das anteriores à chegada de Jesus. A “estrutura” do Benfica valia nessa altura, 1 Campeonato, 1 Taça de Portugal e 1 Taça da Liga em 8 épocas consecutivas. Nos próximos 8 anos é uma questão de cada um extrapolar como entender, mas não vai fugir muito destes resultados”. Idem
“...o espaço da liderança do treinador vai-se esvaindo rapidamente. De grande promessa, por ter feito um “bom” trabalho no Guimarães e ser benfiquista, Rui Vitória já começou a ser olhado de lado. E ele sabe disso. E os jogadores também. Todos lêem jornais e vêm televisão”. Texto: Reflexões da pré-temporada em 5 de Agosto
“... (o Presidente) fez circular que não podia ir ver a Eusébio Cup por razões “profissionais e também físicas” (Record online sábado, 1 agosto de 2015 | 04:20). Mas no dia 2 de Agosto esteve no casamento do Jorge Mendes. Quando a mentira assenta arraiais e tenta travestir-se de verdade, chega uma altura que já não engana ninguém. E quem “paga” é o futebol. O “core business” do Benfica”. Idem

“(na derrota com Guimarães, final da Taça de Portugal) Não perceber como o árbitro pode arruinar ou condicionar a nossa equipa, é continuar a não perceber a estatística e porque os resultados se repetem. Assim, repetindo o critério que já tinha tido contra o Koeman, permitiu um critério disciplinar largo aos jogadores do Guimarães, e curto aos jogadores do Benfica. Ao intervalo o miolo do nosso meio campo estava condicionado, enquanto os jogadores do Guimarães, jogavam à vontade, sem medos”. Texto “Anormalidades da Taça”, publicado em 28 de Maio de 2013

“O condicionamento dos nossos jogadores e a mensagem de “podem dar pancada à vontade” para os jogadores do Vitória, levou a que o nosso jogo perdesse alguma qualidade e o do Guimarães aguentasse os nossos argumentos”. Idem

Não pelo seu eventual erro (substituiu Cardozo, e na minha opinião devia ter saído Lima), mas porque levou com um golo em fora de jogo. Fora de jogo bem superior ao de Cardozo frente ao Chelsea. Fora de jogo que o FCP nunca leva e não é por acaso. Idem.

Para terminar. O árbitro da final da Taça de Portugal em questão foi o mesmo da final da Taça da Liga, e os erros andaram pelo mesmo critério, com nítido prejuízo para o lado do Benfica em relação ao SCP. Que no critério técnico, quer no disciplinar. Na altura Rui Vitória foi o maior porque ganhou ao grande Benfica do teimoso Jesus. Agora foi o SCP de Jesus que ganhou ao Benfica de Rui Vitória.. com o mesmo árbitro... O futebol é fantástico de facto...

No global o acerto das minhas ideias está a ser “super”...

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Não entendo o medo de alguns


Não percebo o medo do jogo de domingo daqueles andaram que andaram seis anos a pedir a saída de JJ. Agora pedem jogadores, pedem as mesmas armas... Mas afinal não vamos defrontar a equipa treinada pelo treinador que, segundo aqueles que sempre quiseram JJ fora do Benfica, perde todas as finais? Não vamos defrontar a equipa do treinador que falha sempre nos momentos decisivos? Assim sendo, a Taça está praticamente ganha. Não entendo o medo deles...


quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Reflexões de pré-temporada



Portugal 5 de Agosto de 2015

A pré-temporada terminou com uma derrota volumosa por 3-0, onde pasme-se, o Funes Mori foi considerado o melhor jogador em campo. Aquilo que já andava mal, nas “bocas” dos benfiquistas (ou dos rivais) afinal conseguiu terminar pior do que se pensava.
Vamos por partes. Se é verdade que critiquei anteriormente a mentalidade frágil de Rui Vitória, também é verdade que todos os anos critico o protagonismo pela negativa, dos adeptos, críticos e ex-dirigentes.
Os resultados desta viagem começaram com uma derrota tangencial frente ao PSG, por 3-2, com os golos a serem marcados por Talisca e Jonas. O Benfica alinhou de inicio com a sua melhor equipa, enquanto o PSG fez o contrário. Na 2ª parte o Benfica rodou alguns jogadores, o PSG idem, mas ficaram eles mais fortes e acabaram por dar a volta ao marcador com mais um penalty feito por Samaris (o último sofrido no campeonato em Vila do Conde, também foi cometido por ele).
A derrota não escandalizaria os adeptos mais “adeptos”, aqueles que só se preocupam com a equipa. Mas fez soar algumas criticas à entrega dos jogadores, naqueles adeptos que mandam “bitaites” cá para fora, por tudo e por nada.
Seguiu-se o empate a zero com a Fiorentina, perdido no desempate por marcação de grandes penalidades, e o tom do alarme aumentou de intensidade. Agora era porque não marcamos golos. Podíamos humildemente reconhecer que jogamos quase 30 mn com menos um jogador, mas em vez disso imperou a habitual arrogância da crítica e dos adeptos mais dados aos “bitaites”.
A derrota com o Red Bull por 2-1, uma equipa já em competição há 19 jogos, e que havia ganho 4-2 ao Chelsea ligou as buzinas. Já não era só o alarme, mas sim as buzinas da crítica e dos mesmos adeptos. Ou pelo modelo de jogo, com um avançado, ou porque os jogadores não deram tudo que podiam, as criticas continuaram.
Já deu para perceber que tudo isto me incomoda porque as criticas influenciam negativamente o lado mental dos jogadores. Ao contrário da teoria reinante no Benfica, de que uns valentes apupos servem para o chamar a atenção dos jogadores para se esforçarem mais, etc. Errado, como vários jogadores de outros clubes (Real Madrid por exemplo) referem. E todos os anos cometem o mesmo erro.
Veio o América, uma espécie de Benfica lá do sítio, e nem a vitória no desempate por grandes penalidades serviu para arrefecer a crítica. Por causa do 0-0 e por causa da qualidade da exibição. Pelos vistos, a bola não chegava ao Jonas que estava muito sozinho lá à frente (ouvi esta tese no programa Lanças Apontadas da BTV), e como tal devia ter companhia ao seu lado.
Como a “estrutura” do Benfica é uma treta bem propagandeada na comunicação social avençada, o treinador fica sempre isolado no dilema de optar por um modelo de jogo mais compacto e menos ofensivo, como o que resulta de jogar com 1 ponta de lança, e o outro modelo mais ofensivo e frágil defensivamente como o que resulta de jogar com 2 pontas de lança. E regra geral, acaba por ir atrás da pressão mediática feita por adeptos e por supostos entendidos. Rui Vitória não é excepção e acabou por fazer  a vontade aos grandes “entendidos” adeptos do 4-4-2. Assim contra o Monterrey jogaram Jonas e Jonhatan. Resultado: goleada!
Isto é o Benfica medíocre, dos que puxam os galões de maior clube português para fazer disfarçar as nossas lacunas enquanto massa crítica. E assim, ano após ano, a mistura de arrogância com ignorância origina estes cocktails explosivos de opiniões destrutivas, que empurram a equipa para baixo a cada jogo que passa. E com este tipo de intromissão, patrocinada pela omissão da “estrutura” que nunca aparece a defender as opções do treinador (deixam isso para uns quantos que parecem avençados, como Paulo Madeira, João Alves, Álvaro Magalhães, etc.), o espaço da liderança do treinador vai-se esvaindo rapidamente. De grande promessa, por ter feito um “bom” trabalho no Guimarães e ser benfiquista, Rui Vitória já começou a ser olhado de lado. E ele sabe disso. E os jogadores também. Todos lêem jornais e vêm televisão.
Entretanto o PSG ganhou o troféu, a Fiorentina ganhou ao Barcelona 2-1 e nós no Benfica estamos em pré-depressão. Um estado muito igual ao que vivemos após as pré-temporadas de outros treinadores portugueses, sem liderança ou com fraca imagem, como Toni, Jesualdo ou Fernando Santos. Rui Vitória é apenas mais um igual aos outros, e não foi por acaso que sempre elegi Jesus com alguém excepcional que jamais podia ser convidado a ir treinar para o Qatar. Porque de facto esse homem foi um “achado”.
Entretanto o presidente do Benfica, para variar anda desaparecido. Não sem antes ter dado mais um exemplo da pessoa que é e que os adeptos não querem “ver”. Fez circular que não podia ir ver a Eusébio Cup por razões “profissionais e também físicas” (Record online sábado, 1 agosto de 2015 | 04:20). Mas no dia 2 de Agosto esteve no casamento do Jorge Mendes.
Uma pessoa que tem este conceito do que é “verdade” e do que é “mentira”, é capaz de dizer qualquer coisa para se manter no poder. Até falar da “pesada herança” 7/8 anos depois de ser eleito. E como tem a cobertura de Joaquim Oliveira e de toda a comunicação social que rotulou de “casamento do ano”, o casamento de alguém que não paga impostos em Portugal (nem em Espanha), sabe que pode dizer o que quiser que ninguém o questiona. É lamentável ver a que estado chegou o Benfica, com gente desta estirpe na liderança e perante a cumplicidade de tanto e tanto benfiquista. Uma cumplicidade possivelmente compensada, a uns mais do que a outros, mas compensada.
Quando a mentira assenta arraiais e tenta travestir-se de verdade, chega a uma altura que já não engana ninguém. E quem “paga” é o futebol. O “core business” do Benfica.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

A máquina da propaganda



Portugal 3 de Agosto de 2015

Nenhum poder, democrático ou não democrático, se mantém muito tempo no poder, se não tiver “boa” comunicação. Desde líderes democraticamente eleitos, como Hitler, a outros que conquistaram o poder político por via da força, nenhum foi indiferente ao controlo da opinião e à propaganda, como forma de manipular as vontades e comportamentos de quem vota, de quem os elege, ou, nos países onde não há eleições, para sossegar e tranquilizar o povo de que o caminho daquela liderança é o que mais interessa a todos.
Tanto nuns casos como nos outros, este controlo da comunicação social impede que as pessoas conheçam as atrocidades que esses poderes, democráticos ou não, praticam sobre os cidadãos que deveriam proteger.
No Benfica, descontando o efeito de escala da comparação, vive-se algo de semelhante. A propaganda substituiu o debate isento, o noticiário “controlado” enviesou as conclusões acerca dos problemas com que nos debatemos, e tudo, tendo sempre como referência, a boa imagem do líder do clube/SAD e da própria SAD (mais do que o Clube).
Para percebermos como tudo isto acontece de forma “ordeira” há 14 anos, teremos de perceber que Joaquim Oliveira, dono de um império na comunicação social, e Jorge Mendes, dono de outro império na intermediação de jogadores, são duas figuras que controlam o Clube/SAD, de fora para dentro, tendo como “marioneta” o presidente Luís Filipe Ferreira Vieira, hoje eleito, mas que entrou pela porta dos fundos, como “gestor” do futebol, em Março de 2001.
Estas duas figuras, actuando primeiro em grupo com o BES e a PT, empresas com projectos económicos na área do futebol e direitos televisivos, e depois da sua falência ou venda, continuam a actuar individualmente, aumentando o poder na Benfica SAD e são quem controla a máquina da propaganda visando a centralização de Vieira como referência única no universo benfiquista.
Seja porque há muito desemprego na classe jornalística e ninguém quer perder o precioso emprego, seja porque os largos anos de domínio deste mercado levam por exemplo, Joaquim Oliveira a desviar publicidade do título A para o B conforme o título A é um título “domesticado” aos seus interesses, ou não, publicidade que é vital ara assegurar a viabilidade económica dos títulos da comunicação social, seja por exemplo, Jorge Mendes, e a sua legião de jornalistas que recebem avenças ou pequenos/grandes favores para publicar aquelas noticias bombásticas tipo “Bruno Alves interessa ao Barcelona”, noticias falsas que só servem para constituir portfolios de comunicação social, dos jogadores em causa, para depois andarem a ser mostrados por essa Europa fora.
Esta gente que promove Vieira como grande referência do Benfica, não o faz de graça. Há interesses económicos que os leva estar mais próximos uns dos outros, apesar de por vezes passarem cá para fora, que as relações entre eles já foram melhores do que o que são. É falso, pois nada deste Benfica teria acontecido sem o apoio de Oliveira (em particular este, por causa da comunicação social) e aquilo que pode parece uma afronta do Benfica, como por exemplo o lançamento dos jogos de futebol no canal premium da BTV, não são mais do que pausas estratégicas para reformular as próximas acções. E o próximo passo como se sabe, é a centralização dos direitos televisivos, com o óbvio apoio de Vieira.
Portanto com esta máquina da propaganda, nunca veremos ou leremos, que Vieira fez mal aqui ou ali, que Vieira tem um passado cheio de sombras, ou simplesmente lembrar que Vieira desceu o Alverca de divisão, e como tal não é pessoa que perceba assim tanto de futebol, ou que faliu o Alverca SAD e como tal, também não é pessoa que possa gabar-se de ter projectos de prosperidade para a Benfica SAD. Se fosse com Vale e Azevedo, obviamente teríamos isso bem “escarrapachado” nas capas de jornal, nos artigos de opinião, ou naqueles pseudodebates onde os participantes normalmente têm ódios de estimação pela pessoa central do debate. Com um telefonema do Sr.º Joaquim, sempre se abre uma porta aqui e outra ali, lá dizia o Expresso em 2005.
Para além desta propaganda exterior, temos também a propaganda feita pelos próprios intervenientes que, defendendo o soldo, dizem hoje uma coisa e amanhã dizem outra completamente distinta. Domingos Soares de Oliveira é um desses. Recuando no tempo, vejamos alguns exemplos:
RECORD online, 24/09/2014: respondendo a uma observação segundo a qual o financiamento aumenta o endividamento. “Sim, mas os proveitos crescem mais depressa. Entende-se que o modelo de desenvolvimento do Benfica necessita de investimento constante na compra de jogadores, isto é, deixámos o cimento (estádio, academia e Benfica TV) e passámos para as pernas, algo que tem de ser renovado.” (espantosa afirmação, escassos 2 meses após terem sido vendidas as “pernas” de meia equipa campeã nacional. A renovação foi feita com Victor Andrade, Luís Felipe, Benito, César, Djavan, Derlei e Talisca, muitos milhões gastos mas só um conseguiu singrar no lugar das “pernas” que se venderam!).
RECORD online, 06/12/2014: sobre a venda das principais figuras do Benfica no verão Domingos Soares Oliveira, resignou-se perante a necessidade do clube em vender, face à incapacidade em concorrer a nível salarial com outros clubes europeus: "O mercado português é demasiado pequeno para que tenhamos capacidade para pagar os vencimentos mais elevados. Temos de aumentar as nossas receitas e isso apenas será possível se na equação estiverem as vendas de jogadores." (não percebo. Mas não íamos investir nas “pernas”? Em que “pernas” estava a pensar? Murillo? Ruben Paz? Diego Lopez? Hassan? Mais de 10 milhões investidos e quantos se aproveitam para a equipa principal? São estas as pernas que vamos revender para aumentar as receitas?)
DSO recebe 250 mil euros por ano. Só comecei a receber a razão deste salário estratosférico depois de somar “dois e dois”: ele não recebe para gerir a SAD, mas sim para sugerir cenários aos benfiquistas, mesmo que hoje sugira um cor-de-rosa, e amanhã outro cinzento. E sendo adepto de coração, do SCP, não é tão difícil fazer esse papel. Até nisso a máquina do Benfica de Vieira+Oliveira+Mendes está bem “pensada”: os não benfiquistas, bem pagos (este e outros) fazem melhor o papel da propaganda, que é iludir sócios e adeptos.