Campeões Nacionais 2014/2015

Campeões Nacionais 2014/2015

Siga-nos no Facebook

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

É só fazer contas...

As contas são muito fáceis de fazer...

Se o Benfica fizesse o seu contrato a 12 anos e com tudo o que o Sporting e Porto colocaram nos seus contratos as contas seriam estas:


  • O Benfica recebe 400 milhões por 10 anos, por 12 receberia 480 milhões(40 milhões/ano x 12 anos);
  • Se juntarmos o patrocinio da Fly Emirates nas camisolas a 12 anos seriam 96 milhões;
  • Se juntarmos a tal publicidade a 3 milhões/ano seriam mais 36 milhões a somar.
O total do bolo a 12 anos daria a modesta quantia de 612 milhões.

Mesmo aceitando a aldrabice do gordo e metendo lá a PPTV ou lá o que é, ou seja, os tais 515 milhões da tanga, ficaram a 100 milhões do Benfica...

Mas também podemos fazer as contas ao contrário...

Se o contrato do Sporting, vou aceitar os 515 milhões da tanga, fosse por 10 anos sem a publicidade nas camisolas e estádio as coisas seriam assim:

  • 515 a dividir por 12 anos dá 43 milhões/ano que a 10 anos seriam 430 milhões;
  • Se retirarmos 5 milhões/ano do patrocínio das camisolas, são 5x12= 60 milhões a subtrair;
  • Se retirarmos 3 milhões/ano da publicidade do estádio são 3x12= 36 milhões a retirar.
Assim sendo, o valor que o Sporting receberia pelos seus direitos de TV mais canal de TV, a exemplo do Benfica, seriam 334 milhões a 10 anos, portanto, 66 milhões a menos que o Benfica.

Se as contas forem feitas a 446 milhões como devem ser a diferença dispara...

Mas já deu para ver que há muito burro a comer a palha que lhe metem na frente... E dos dois lados...






terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Há quem goste disto...


Há quem goste deste futebol do Benfica e veja nisto maravilhas nunca antes vistas... Eu continuo a não gostar e a achar que o Benfica simplesmente não joga nada de nada. De vez em quando lá sai uma exibição um pouco melhor mas o normal são estas exibições sem chama, sem velocidade, sem ideias, onde o melhor jogador em campo é um defesa que até poderia ter sido expulso.

Critico o RV como critiquei o JJ quando achei que o Benfica não estava a jogar ao nível desejado, por isso, para mim, e até agora, o RV tem sido uma desilusão... Ou isto melhora muito na segunda metade do campeonato ou vencer o campeonato poderá ser um autêntico milagre...

E não me venham dizer que os outros não estão a jogar melhor e não sei que mais porque eu sou do Benfica e é nele que tenho de me concentrar, mesmo admitindo que nem Porto e Sporting estão a jogar bem. A jogar assim serão sempre muito difíceis os jogos do Benfica.




segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Pressão artificial...



Portugal 21 de Dezembro de 2015

É um pouco complicado começar mais um texto em só gostaria de escrever sobre futebol, mas tenho de voltar a escrever sobre como a comunicação social continua a ser protagonista, “inclinando” o campo da opinião contra o Benfica e a favor de FCP e SCP... Não nos podemos admirar que alguns adeptos (ruidosos) do Benfica se atirem à sua própria equipa, enquanto os adeptos de FCP e SCP se atiram... contra o Benfica e contra as arbitragens.
Ontem a capa do jornal “benfiquista” a BOLA tinha em toda a altura da página, a foto de Rui Vitória com o título destaque “TENSÃO EM ALTA”. Nem o JOGO dos amigos que o Sr.º Vieira tem para as bandas do Porto, conseguiu atingir tamanho nível de desfaçatez...
Vamos por partes. O Benfica empatou em casa do União da Madeira, ficou um golo do Benfica por perceber se foi bem ou mal anulado, uma vez que a Sporttv não repetiu o lance e toda a comunicação social escrita, no online, varreu o lance para baixo do “tapete”, criando assim – parte 1 do processo - a ilusão que os 2 pontos perdidos se deviam única e exclusivamente ao “mau” futebol praticado pela equipa, à má orientação do treinador, etc., o que, parte 2 desse processo, permite criar o inquérito “depois do empate na Madeira, o treinador tem condições para treinar o Benfica” que por sua vez serve de “rastilho” à novela do “treinador fica ou sai” que é alimentada pelo habitual “guião” das opiniões, das referências indirectas, e quando isso não é suficiente, pelas respostas dos “burros” dos ex-treinadores do Benfica que se põe a jeito para opinar a favor da “corrente”.
Intencionalmente escrevi “treinador” porque este esquema não se aplica só a Rui Vitória mas passa-se todos os anos, nuns mais do que noutros. Nem Jesus foi excepção. Lembremo-nos do que se disse de JJ acerca da forma desgastante do futebol que incutia nas suas equipas, de que em Fevereiro normalmente rebentavam todas, das invenções, das teimosias, etc. Qualquer coisa serve para criar o rastilho da novela “o treinador fica ou sai” ou numa fase 3 do processo, “sai, quando?”.
Como se percebeu do meu último texto, os gabirus da comunicação social não têm problemas em calcar pessoas (esquecendo o seu passado futebolístico), em omitir incidências de arbitragem com interferência no resultado (afinal a Liga da “Verdade” do Rui Santos, só existiu até JJ se passar para o SCP), em especular com o futuro das pessoas que o Benfica contratou para orientar, gerir ou praticar o nosso futebol. Nada disso conta quando se quer destruir a estabilidade do nosso futebol, por via da criação de uma pressão artificial sobre alguns dos responsáveis mais notórios, como é o caso do treinador.
Os adeptos, esses coitados, são esmagados pela quantidade de “sinais” que lhes entram no cérebro pela visão, pela audição e até pela sensação... quando são gozados pelos adeptos rivais, os tais que são conduzidos a criticar arbitragens mesmo em jogos que são beneficiados.
Mas como o futebol não é uma ciência linear que os gabirus da comunicação social percebam em regime de exclusividade, eis que o mesmo União que tirara 2 pontos ao Benfica do “mau futebol praticado”, agora tirou 3 pontos ao SCP “do bom futebol”. No espaço, não de 4 meses, mas de 4 dias uma equipa serviu de prova dos 9 à qualidade dos dois adversários que defrontou, com nítida vantagem para o Benfica, que se pode queixar de um golo possivelmente mal invalidado, enquanto o SCP pode dar-se mais uma vez agradecido à arbitragem por mais um penalty não assinalado contra.
Ou seja, apesar do cenário de A BOLA estar montado para prejudicar o Benfica via agitação em torno de Rui Vitória, eis que o futebol se revoltou contra esta trama de malvadez e decidiu por um pouco de “ordem na mesa”.
Esta minha “viagem” sobre a influência dos jornais no pensamento das pessoas faz-me recuar no tempo para dar dois exemplos com que termino esta crónica. Na época 90/91 quando ganhamos 2-0 nas Antas com golos de César Brito, a edição da BOLA na véspera do dia do jogo dava amplo destaque, meia página, à mentira de que “o árbitro viajou no comboio do Benfica”. Na época 98/99 após derrota em casa do Kaiserslautern, campeão alemão, por 1-0, a BOLA colocava em destaque na capa, a meias, Souness e Krajl (guarda redes do FCP) com o “sugestivo” título destaque “CULPADOS” (o FCP também perdera em casa 0-1 com o Panatinhaikos reduzido a 10 unidades).
Há coisas que não se explicam. Entendem-se...

domingo, 20 de dezembro de 2015

Mais uma grande jogatana...


Mais um jogo de treta com os mesmos problemas de sempre...
Como o Benfica como colectivo é um zero autêntico fica aqui a minha análise individual:
Pizzi: Para mim continua a ser dos melhores do Benfica;
Jonas: Dois golos à ponta de lança. Continuo a achar que pode muito bem jogar na frente sozinho mas para isso era preciso que RV tivesse a equipa trabalhada para tal e não tem;
Guedes: Continuo a não entender como há malta que ache que é craque. Pode lá chegar mas NESTE MOMENTO é jogador de equipa B. Tanto Pizzi como Carcela estão anos luz acima de Guedes.
Carcela: Não é titular porque, e vou fazer aquilo que faziam ao JJ mas no inverso, tem de jogar o menino lindo da formação de RV, o Guedes;
Samaris: Não vi a primeira parte mas para o Samaris sair imagino a jogatana que não fez;
Fejsa: É o melhor 6 do plantel, ou melhor, o que está em melhor forma porque o Samaris em forma é muito bom na posição. Continuo a não perceber quem prefere NESTE MOMENTO o Samaris ao Fejsa;
André Almeida: Ou é médio defensivo ou não é nada. Não é lateral para o Benfica. Aquilo é cruzamentos atrás de cruzamentos e mais nada. É certinho a defender mas é pouco...
Lisandro: Forte na antecipação mas precisa de corrigir alguns posicionamentos e leitura dos lances;
Os restantes jogadores estiveram ao nível normal...
Rui Vitória: Ou ganhacoragem e mete a jogar a equipa com as suas ideias de jogo, aquelas que o acompanharam ao longo da sua carreira ou então que saia de fininho porque aquilo que a equipa faz dentro de campo é igual a zero, e não me venham cá com jogadores ou craques que o problema não é esse, antes fosse...
Uma palavra para o Pedro Martins que considero um dos excelentes treinadores do nosso campeonato. As suas equipas normalmente praticam um bom futebol, um futebol positivo e que sabem o que fazer à bola.

Quanto à equipa de arbitragem, remeto para as palavras do presidente - "Não liguem ao ruído".


quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Os gabirus e os burros...



Portugal 17 de Dezembro de 2015

99 mn - Fora de Jogo de Slimani. O argelino ainda faz golo, mas o lance estava anulado por alegada posição irregular. (Braga 4 – SCP 3)
76 mn Fora de jogo de Raúl Jiménez (União Madeira 0 – Benfica 0)
Começo este texto evocando a forma como a BOLA online descreveu dois lances onde houve golos, num caso a favor do SCP e noutro a favor do Benfica. Quem ler apenas o filme do jogo no online, quem não tiver visto o jogo e confiar na “isenção” deste “reputado” jornal desportivo, fica com a ideia que o SCP pode ter sido impedido de fazer o 4-3 pelo assistente, mas não fica com a ideia que o Benfica podia ter marcado 1-0 (aos 76mn). Dualidade de critérios perversa pois há intenção de “empolar” o lado negativo do Benfica nesse jogo, e que foi a qualidade da exibição. No caso do SCP pretende-se instalar a dúvida sobre a bondade da decisão do árbitro. Uns gabirus estes jornalistas de A BOLA...
Ando há anos a exemplificar esta dualidade de critérios jornalísticos que depois provocam “mossa” nos adeptos, pondo-os a criticar ou comentar o que não devem, e poupando assim o “sistema” que continua a mandar na arbitragem. A isto chama-se “branquear” e nisso os gabirus são “craques”...
Continuando no tema e no jornal BOLA, agora versão em papel, se recuarmos ao dérbi para a Taça, verificamos que aquela “janela” onde a BOLA publica 4 fotos (normalmente) de lances do jogo para avaliar as decisões de arbitragem, umas para concluir que são bem decididas, outras para concluir que foram mal decididas, sem grande surpresa constatamos que o primeiro lance que lhes merece análise foi o penálti sobre Slimani aos ... 86 mn de jogo! O lance aos 44 mn da cotovelada de Slimani em Samaris que originaria a sua expulsão, com o Benfica vencendo por1-0, para a BOLA não existiu. Tal como não existiram os lances em que Adrien fez por merecer o mesmo cartão amarelo que já havia sido exibido a alguns jogadores do Benfica durante a 1ª parte e que ficaram condicionados.
Podia dar mais exemplos para sinalizar a razão dos adeptos do SCP estarem sempre eriçados contra erros de arbitragem, mesmo quando são beneficiados, e vermos os adeptos do Benfica normalmente eriçados contra a sua equipa, mesmo quando são prejudicados. Sendo boa parte da falange de apoio destes clubes originária de Lisboa, não se pode dizer que esta diferente atitude resulta de uma questão de cultura regional, mas sim, que resulta de uma educação feita através da comunicação social.
Já no RECORD as coisas são praticamente iguais variando apenas algumas “matizes”. Os lances escolhidos para o “online” são normalmente os que sugerem que o árbitro decidiu mal, em favor do Benfica, ou que decidiu mal em prejuízo do SCP (ou do FCP). Quando há polémica, porque alguém do Benfica (nas raríssimas vezes em que o fazem) invoca prejuízos, colocam o lance em questão mas com indicação que a “decisão foi correcta, oferece dúvidas, o lance é difícil de ajuizar”, etc., coisa que não fazem quando é o SCP (ou FCP) a estar envolvido, onde se arranjam imagens ou interpretações que fazem pender a avaliação para o lado do SCP (e do FCP). De onde se pode concluir que para estes gabirus, os lances onde os árbitros decidem mal a favor do Benfica, ou mal contra o SCP (e FCP), são sempre lances fáceis de ajuizar.
A “Liga Capela”, episódio criado pelo mais bem escondido adepto do SCP, Rui Santos, saiu das páginas do RECORD e depois de se condicionar a arbitragem com o texto saído desse Benfica 2 – SCP 0, quem ganhou o campeonato foi o FCP! Ah: para criar a Liga Capela, Rui Santos socorreu-se de imagens que o árbitro não teve, escondeu lances onde as decisões prejudicaram o Benfica, e concluiu de forma mentirosa na avaliação de outros.
Nessa altura não houve reacção do Benfica, sigamos para o JOGO que publicou na sua 1ª página, dia seguinte ao SCP 3 – Moreirense 1, as conclusões do célebre “Tribunal”, conclusões que só saem às vezes. Assim, para esse “Tribunal” há falta do SCP no lance que originou o 1º golo e Naldo deveria ter sido expulso no lance que origina penalty a favor do Moreirense. Percebe-se: vem aí o SCP-FCP, há que preparar o “terreno”. Destaques que não saíram na 1ª página do JOGO: os penaltys sonegados ao Benfica no dérbi com o SCP para o campeonato ou os penaltys sonegados ao Nacional no jogo contra o FCP. Há gabirus em todo o lado, como se constata, e muito passarinho na Luz...
Bom, e para terminar, também temos os burros. Li hoje no RECORD o que pensam três ex-treinadores do Benfica, Manuel José, Toni e Álvaro, uns mais desempregados do que outros e que se põe sempre a jeito para estes gabirus aumentarem a instabilidade em torno da equipa. Dizem eles que vêm o Benfica longe do tri...
Eu nunca acreditei, mas vamos por partes. O Benfica vem de uma série de jogos positivos, intercalado com a derrota caseira com o Atlético de Madrid, hoje líder do campeonato espanhol e com orçamento mais do dobro do Benfica, e terminando com este inesperado empate com o União. Mas pelo meio, ganhamos em Braga, coisa que o SCP do bom futebol não conseguiu e ganhamos em Setúbal que ainda não tinha derrotas em casa e ocupava, antes do jogo, o 5º lugar. Ah, e temos o melhor goal-average sinal que temos bases para pensar mais longe...
Para podermos fazer uma avaliação justa, e nem falo da pontuação real que resultaria se não tivessem existido tantos erros de arbitragem a favor de uns e contra outros, teremos sempre de esperar pelo final da 1ª volta que é quando todos jogaram contra todos. Porque se é verdade que ainda temos jogos difíceis, também é verdade que o SCP terá de jogar contra FCP e Braga, FCP e Braga ainda têm que jogar contra o SCP. Alguém vai perder pontos e o Benfica pode capitalizar se fizer o que tem vindo a fazer, com mais ou menos oscilações exibicionais: ganhar.
Para isso é preciso não perturbar! Ora estes treinadores desempregados têm pouco cuidado com o que dizem, perdendo oportunidades de ouro para ajudarem. São parte do problema e não da solução. Por isso são burros...

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Pressão, Formação e Táctica...



Portugal 16 de Dezembro de 2015

O Leicester, equipa que na época passada lutou para não descer de divisão, derrotou o campeão Chelsea, do mediático José Mourinho que, ironia das ironias, luta para não descer de divisão. Quando perguntaram a Cláudio Ranieri (actual treinador do Leicester e, mais uma ironia, o treinador substituído por Mourinho quando da 1ª passagem pelo Chelsea) se assumia a candidatura ao título, Ranieri com desarmante sinceridade afirmou que neste momento apenas querem fazer mais 5 pontos, que é o que garante a manutenção do Leicester, e depois logo se vê quais os objectivos a fixar depois disso.
De forma simples, sincera, humilde mas inteligente, Ranieiri retirou a “pressão de ganhar” de cima dos seus jogadores, e criou condições para que as suas qualidades técnicas não sofram condicionamentos mentais ou psicológicos que perturbem o seu contributo para a qualidade de jogo da equipa. Não assumindo a luta pelo título de campeão, permite-lhes (quem sabe) continuar a surpreender na Premiere League.
A pressão no futebol é um pouco como o colesterol no sangue. O colesterol impede o sangue de circular com fluidez podendo em casos extremos provocar AVC’s mortais. A pressão produz efeitos semelhantes no futebol e os treinadores inteligentes fogem dela para evitar as piores consequências que são o falhanço dos objectivos e o seu próprio despedimento (que é uma espécie de AVC).
Ora nós, Benfica dos passarinhos, fazemos tudo ao contrário. Quando não há motivos para criar “pressão”, inventamos.
Recentemente Renato Sanches, 18 anos, que já tinha feito algumas exibições bem acima do esperado, para a sua tenra idade, marcou um golão à Académica. No dia seguinte, a máquina de propaganda de Vieira mandou publicar no CM que “Vieira insistiu com Vitória para continuar a apostar em Renato”, uma táctica habitual de Vieira que sabe “surfar” muito bem (com a sua equipa de assessores mediáticos) as incidências que vão acontecendo. Quando Emerson passava por uma fase de grande criticismo na comunicação social, Vieira mandou a mesma máquina anunciar ao povo benfiquista, em Fevereiro/Março, no mesmo CM, que “Emerson irá ser dispensado no final da época”.
Óbviamente que quando perdemos campeonatos ou títulos, Vieira nunca apareceu a assumir que pediu ao treinador para apostar no jogador A, B ou C. Nas alturas das derrotas, deixa cair tudo em cima do treinador, não assumindo sequer a mais básica das responsabilidades: foi ele que o escolheu!
Voltando a Renato, que recordo, está a dar os primeiros passos na equipa principal logo a “estrutura” do Benfica viu ali motivos para criar episódios mediáticos, primeiras páginas de jornal, colunas de opinião: a renovação de Renato e a fixação de uma cláusula de rescisão no valor de 80 milhões de euros! Há que dar a ideia que a “estrutura” está atenta e não “dorme”.
O que fez a “estrutura” de nabos que existe no Benfica, a troco de se promover aos olhos dos adeptos, foi aumentar a pressão sobre Renato. E como já se viu a espaços em Setúbal ou ontem na Madeira, Renato ainda está muito longe do nível exigido por uma equipa que tem uma pressão “natural” de ganhar sempre. É um jovem que devia estar a aprender e não a assumir protagonismo no futebol da equipa. Porque ainda não sabe transformar esse protagonismo em futebol útil para a equipa.
O mesmo se poderia dizer de Gonçalo Guedes, que depois das notícias que deram conta do interesse do Barcelona e outros “tubarões” europeus, notícias que saem com o beneplácito da Direcção que não disfarça o quanto quer continuar a vender e comprar, passou a mostrar o seu lado B, aquele que menos interessa à equipa e ao seu futuro como jogador: trapalhão, cai com muita facilidade, enrola-se muito com a bola e decide quase sempre mal o timing e o colega para quem faz o passe.
Claro que não foi apenas por dois jogadores da formação que desperdiçamos 2 pontos contra a pior equipa madeirense. Mas quem sabe se a aposta em Renato e Guedes não resulta do condicionamento do treinador pelas renovações dos milhões e necessidade da SAD valorizar jogadores “baratos” para os vender caros? Mesmo que não estejam habituados a jogar 2 vezes por semana, “obriga-se” o treinador a insistir com eles até serem os novos “craques” (para vender)...
E claro que também há as questões técnicas. Já se tinha percebido que este 4-4-2 adaptado, funciona de uma maneira com Samaris e de outra com Fejsa. Fejsa é muito posicional e mais defensivo, como se bem viu no título de há duas épocas atrás, enquanto Samaris é mais móvel e ofensivo. A dupla Samaris + Renato funcionou bem em Setúbal, mas a dupla Renato + Fejsa não podia funcionar bem na Madeira porque remetia para Renato, o miúdo de 18 anos, a tarefa de construir as jogadas de ataque, já que Fejsa jogando mais atrás, “fica” e não sobe. Samaris não tem esse problema porque se complementa com Renato nas tarefas defensivas e ofensivas. Fejsa foi fundamental em Braga, mas aí jogamos em 4-3-3 com Fejsa, Renato e Pizzi no meio campo. Mais dois extremos, Gaitan e Guedes. 5 unidades no meio campo, 4 delas polivalentes. Em Setúbal e Madeira, apenas 4, mas com 2 atacantes de área. Na Madeira dessas 4 unidades, apenas 3 eram polivalentes (Pizzi, Guedes e Renato). Em Setúbal, todos os 4 do meio campo eram polivalentes (Pizzi, Guedes, Samaris e Renato)...
Detalhes que fazem a diferença em campo... Pressão, Formação e Táctica. (desta vez não houve outro factor, a arbitragem)

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Há que pensar positivo... Ainda podemos ganhar a Champions...


Ou acontece alguma hecatombe ao Porto e Sporting em conjunto ou hoje ficámos de fora da corrida do titulo.

Mas há malta que está a esfregar as mãos de contentes porque assim podemos rodar a equipa nos jogos com o Porto e Sporting para atacar a Champions...

Demos 45 minutos de avanço e quando assim é passamos dificuldades ainda para mais numa equipa que ainda não é...

O meu Benfiquismo faz-me acreditar sempre, sempre mas temos de ser realistas, para vencermos o campeonato o Porto e o Sporting terão de ter alguma hecatombe...


segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Passarinhos e passarões...



Portugal 14 de Dezembro de 2015

À partida para Astana, onde o Benfica selou o apuramento para os oitavos de final da Champions, às perguntas dos jornalistas, e a propósito dos incidentes de arbitragem no dérbi para a Taça, Rui Costa afirmou que não somos passarinhos (nem hipócritas). Rui Costa tentou dizer algo que passasse para os benfiquistas a ideia que no Benfica não somos ingénuos, que estamos a ver como os árbitros fabricam alguns resultados que nos são desfavoráveis, que estamos atentos à pressão que o SCP tem feito sobre os árbitros.
Nem de propósito, jogo em Braga, outra vez Hugo Miguel, mais um penalty claro por assinalar sobre Pizzi e mais uma expulsão perdoada por agressão sobre Renato Sanches. Que mudou depois do jogo com o SCP para a Taça? Nada. Rui Costa, um passarinho...
Veio o jogo da Académica e antes do árbitro assinalar duas grandes penalidades a favor do Benfica, existiu outra sobre Gaitán, que não foi assinalada. Gaitán desde o jogo com o SCP para a Supertaça, é o preferido dos adversários... ainda não ganhou qualquer penalty apesar de ter sido diversas vezes derrubado de forma ilegal. Como nós, passarinhos, não falamos nem antes nem depois dos jogos, os adversários continuam a carregar em cima dos nossos melhores jogadores...
O SCP venceu o Belenenses com 1 penalty aos 92 mn, cometido por Tonel, referiu a comunicação social. Se o lance acontecesse com o Benfica, nas mesmas condições, era marcada falta atacante e os passarões da comunicação social iriam referir que “bom de facto há um contacto, se é suficiente para desequilibrar ou não o Tonel só o árbitro – que estava bem colocado – pode ajuizar melhor, dê-se o benefício da dúvida ao árbitro, não é fácil arbitrar, eles não têm as condições que nós temos aqui na cabina, etc.”. E os passarinhos do Benfica iriam lamentar a perda de pontos nesse jogo fácil, culpa do treinador que “não soube mexer na equipa” (outro truque dos passarões...).
(Se acham que estou a exagerar na ironia, vão ver o que disseram e escreveram quando Aimar foi pontapeado dentro da área da Académica e Hugo Miguel – esse mesmo, de Braga – ainda assinalou falta atacante. Perdemos 2 dos 5 pontos que tivemos de avanço sobre o FCP, e depois a culpa foi do Jesus).
Os passarões do SCP andam desde o inicio da época a pressionar a arbitragem, por via indirecta, utilizando o Benfica como arma de arremesso. Seja por isso ou por algo que me escapa, o SCP tem sido beneficiado com uma enorme série de erros de arbitragem que têm valido boa parte dos pontos de avanço que desfruta nesta altura. O mais inacreditável foi o penalty contra o Estoril obtido na sequência de um fora de jogo de quase 2 metros, que estranhamente o árbitro assistente deixou passar. E o SCP ganhou 1-0. Terá sido culpa dos vouchers e livro do Eusébio que Vieira manda oferecer aos árbitros, após jogos em casa, mesmo nos que somos “roubados”. Como aquele contra o Moreirense, onde o adversário empatou 2-2 aos 81 mn com um golo, quase os mesmos 2 metros em fora de jogo (por sorte, Jonas ainda conseguiu repor a verdade do jogo, mas nem sempre isso tem sido possível)...
Agora foi o FCP a beneficiar na Madeira de 2 penaltys não assinalados contra. A regra do andebol voltou a valer para os defesas do FCP (tal como na época em que perdemos o título por 1 pontos e isso aconteceu em pelo menos 2 jogos do FCP, ambos com situações de empate). Se considerarmos que o árbitro foi o mesmo que recentemente no dérbi não viu Samaris ser agredido por cotovelada de Slimani com 0-1 a nosso favor, se considerarmos que é o mesmo que num (curiosamente) Benfica – Nacional, há 4/5 épocas, inventou 1 penalty para o Nacional “entrar” no jogo (não valeu de muito pois acabamos por ganhar 4-1), tenho de manifestar a minha estupefacção quando ouço o Pedro Guerra (esse todo) dizer que se trata do “melhor árbitro nacional mas que não esteve bem no dérbi com o SCP”. É só passarinhos pelas bandas da Luz...
Podia ainda falar do penalty que (finalmente) marcaram contra o SCP e a favor do Moreirense (a ganhar 3-0 é mais fácil assinalar) e que é igual ao que, com 0-0, Ruiz cometeu sobre Luisão no fatídico Benfica 0 – SCP 3, mas não vale a pena. Os passarinhos do Benfica não iriam perceber as semelhanças nem o porquê do SCP marcar 3 golos na Luz para o campeonato, quando o mesmo Jesus com o tal super plantel nunca ter conseguido ganhar 3-0 em Alvalade para o campeonato.
O passarão, esse manda ou dá instruções para que não se fale de arbitragens... Há 14 anos...