Campeões Nacionais 2014/2015

Campeões Nacionais 2014/2015

Siga-nos no Facebook

quarta-feira, 9 de março de 2016

O campeonato começou agora...



Portugal 7 de Março de 2016

Uma vitória em Alvalade tão merecida quanto bafejada pela sorte que nos faltou no jogo contra o FCP, não só relançou o Benfica na luta pelo título como semeou o pânico no clube do “picareta falante” presidente do rival derrotado. Eles que pensavam que eram uma espécie de imbatíveis a nível interno, suposição alimentada por páginas e páginas de notícias “jeitosas” como aquela que “Jesus está mais perto do objectivo (ganhar 2 milhões se for campeão) ” ou “nunca uma equipa foi campeã depois de perder 3 clássicos/derbis”, etc., etc., fora as doutas opiniões dos painéis de trios da “vida airada”, que falam bem de futebol mas sem dizerem nada que interesse sobre o jogo em si mesmo.
O Benfica foi feliz, se calhar porque mereceu ser feliz. A atitude inicial foi muito positiva e proactiva, porque a equipa não se limitou a esperar pelo erro adversário mas soube pressionar o SCP no seu meio campo, forçando o erro. Como aquele de William Carvalho no lance que deu o golo de Mitroglou. Houve outros erros que não deram em nada, mas poderiam dar se o árbitro tivesse outro tipo de decisão, como o empurrão a Jonas dentro da grande área, ou a virilidade excessiva de Coates sobre Gaitan, também dentro da área.
A equipa do Benfica teve uma boa atitude, porque foi competente, mas também beneficiou do excesso de confiança dos adeptos do SCP que neste jogo fizeram o papel dos adeptos do Benfica antes do jogo com o FCP. Há demasiadas semelhanças para não deixar de registar este facto. Até no resultado.
Esta vitória aliada à derrota do FCP em Braga, um campo difícil onde conseguimos vencer e onde, para mim, coloca-nos em situação privilegiada para a luta pelo inédito tricampeonato nos últimos “não sei quantos anos”. E praticamente assegura a entrada directa na Champions.
Se a luta pelo campeonato era algo impensável em meados de Dezembro, quando empatamos na União da Madeira e ficamos a 7 pontos do SCP que jogava que se “fartava”, segundo a comunicação social, mas que depois foi perder 1-0 à União da Madeira que entretanto alugara um autocarro (com o Benfica “não”...). Já a entrada directa na Champions era um objectivo relativamente mais acessível mas que se afigurava custoso uma vez que o FCP ainda não tinha perdido para as competições nacionais e isso valorizava-lhes o potencial...
Hoje a realidade é a que se sabe. A equipa mais concretizadora do campeonato tem tido o seu sucesso relativo, é a melhor equipa na 2ª volta e com a vitória em Alvalade, na minha opinião entra na 3ª fase do campeonato: a fase da confirmação. Diria que a 1ª fase (10 jogos, 3 derrotas), a fase da “estrutura” que planeou a promoção de Gonçalo Guedes, Nélson Semedo e até Victor Andrade, terminou na recepção ao Boavista, com a primeira utilização de Renato Sanches (entrou aos 93 mn), para além do apagamento (por razões diversas) de todos os três nomes da formação que a “estrutura” havia lançado. Depois tivemos uma 2ª fase (15 jogos, 1 empate, 1 derrota) iniciada com a vitória em Braga onde as circunstâncias fortuitas que levaram à titularidade de Renato (abaixamento de forma ou castigos de Samaris, mais as lesões de Fejsa e Sálvio) acabaram por proporcionar outro tipo de jogo, mais musculado no meio campo e mais eficaz defensiva e ofensivamente. Diria que foi uma fase de transformação porque se alteraram quase todas as premissas do planeamento, embora devido a circunstâncias fortuitas, tendo-se encontrado uma melhor solução de jogo.
E entramos na 3ª fase como primeiros classificados, uma fase de confirmação, onde iremos fazer 9 jogos e onde seremos testados aos limites, no campo psicológico, físico e no jogo jogado.
O calendário reserva-nos 5 jogos em casa e 4 fora de casa. Contudo eu prefiro ver em “pacotes” de três jogos, a começar já com Tondela, Boavista e Braga enquanto o SCP joga com Estoril, Arouca e Belenenses. É fundamental vencer os nossos três jogos, já que o SCP poderá com mais facilidade ganhar os seus e como se sabe, em caso de igualdade pontual, eles têm vantagem no goal-average directo...
Uma coisa é certa: “os dados estão lançados” e nós temos vantagem sobre os rivais de 2 e 6 pontos. Daqui para a frente é tudo uma questão de competência e raça. Com ou sem lesões.

1 comentário:

  1. Um pequeno comentário inicial para explicar que o texto foi escrito anteontem, nas faltou oportunidade para o coloca aqui, muito em parte pelos bons textos que o Pedro foi colocando...

    ResponderEliminar

AMIGO/A VISITANTE

Não comente como ANÓNIMO porque pode haver quem deseje responder-lhe e assim continuar o diálogo.

Clique em NOME/URL e escreva o seu, ou um nome, ou um nik, não necessitando de escrever nada no 2.º rectângulo, deixando-o em branco.
A seguir clique em ... continuar e... comente.

Volte sempre. Obrigado