Campeões Nacionais 2014/2015

Campeões Nacionais 2014/2015

Siga-nos no Facebook

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Pressão, Formação e Táctica...



Portugal 16 de Dezembro de 2015

O Leicester, equipa que na época passada lutou para não descer de divisão, derrotou o campeão Chelsea, do mediático José Mourinho que, ironia das ironias, luta para não descer de divisão. Quando perguntaram a Cláudio Ranieri (actual treinador do Leicester e, mais uma ironia, o treinador substituído por Mourinho quando da 1ª passagem pelo Chelsea) se assumia a candidatura ao título, Ranieri com desarmante sinceridade afirmou que neste momento apenas querem fazer mais 5 pontos, que é o que garante a manutenção do Leicester, e depois logo se vê quais os objectivos a fixar depois disso.
De forma simples, sincera, humilde mas inteligente, Ranieiri retirou a “pressão de ganhar” de cima dos seus jogadores, e criou condições para que as suas qualidades técnicas não sofram condicionamentos mentais ou psicológicos que perturbem o seu contributo para a qualidade de jogo da equipa. Não assumindo a luta pelo título de campeão, permite-lhes (quem sabe) continuar a surpreender na Premiere League.
A pressão no futebol é um pouco como o colesterol no sangue. O colesterol impede o sangue de circular com fluidez podendo em casos extremos provocar AVC’s mortais. A pressão produz efeitos semelhantes no futebol e os treinadores inteligentes fogem dela para evitar as piores consequências que são o falhanço dos objectivos e o seu próprio despedimento (que é uma espécie de AVC).
Ora nós, Benfica dos passarinhos, fazemos tudo ao contrário. Quando não há motivos para criar “pressão”, inventamos.
Recentemente Renato Sanches, 18 anos, que já tinha feito algumas exibições bem acima do esperado, para a sua tenra idade, marcou um golão à Académica. No dia seguinte, a máquina de propaganda de Vieira mandou publicar no CM que “Vieira insistiu com Vitória para continuar a apostar em Renato”, uma táctica habitual de Vieira que sabe “surfar” muito bem (com a sua equipa de assessores mediáticos) as incidências que vão acontecendo. Quando Emerson passava por uma fase de grande criticismo na comunicação social, Vieira mandou a mesma máquina anunciar ao povo benfiquista, em Fevereiro/Março, no mesmo CM, que “Emerson irá ser dispensado no final da época”.
Óbviamente que quando perdemos campeonatos ou títulos, Vieira nunca apareceu a assumir que pediu ao treinador para apostar no jogador A, B ou C. Nas alturas das derrotas, deixa cair tudo em cima do treinador, não assumindo sequer a mais básica das responsabilidades: foi ele que o escolheu!
Voltando a Renato, que recordo, está a dar os primeiros passos na equipa principal logo a “estrutura” do Benfica viu ali motivos para criar episódios mediáticos, primeiras páginas de jornal, colunas de opinião: a renovação de Renato e a fixação de uma cláusula de rescisão no valor de 80 milhões de euros! Há que dar a ideia que a “estrutura” está atenta e não “dorme”.
O que fez a “estrutura” de nabos que existe no Benfica, a troco de se promover aos olhos dos adeptos, foi aumentar a pressão sobre Renato. E como já se viu a espaços em Setúbal ou ontem na Madeira, Renato ainda está muito longe do nível exigido por uma equipa que tem uma pressão “natural” de ganhar sempre. É um jovem que devia estar a aprender e não a assumir protagonismo no futebol da equipa. Porque ainda não sabe transformar esse protagonismo em futebol útil para a equipa.
O mesmo se poderia dizer de Gonçalo Guedes, que depois das notícias que deram conta do interesse do Barcelona e outros “tubarões” europeus, notícias que saem com o beneplácito da Direcção que não disfarça o quanto quer continuar a vender e comprar, passou a mostrar o seu lado B, aquele que menos interessa à equipa e ao seu futuro como jogador: trapalhão, cai com muita facilidade, enrola-se muito com a bola e decide quase sempre mal o timing e o colega para quem faz o passe.
Claro que não foi apenas por dois jogadores da formação que desperdiçamos 2 pontos contra a pior equipa madeirense. Mas quem sabe se a aposta em Renato e Guedes não resulta do condicionamento do treinador pelas renovações dos milhões e necessidade da SAD valorizar jogadores “baratos” para os vender caros? Mesmo que não estejam habituados a jogar 2 vezes por semana, “obriga-se” o treinador a insistir com eles até serem os novos “craques” (para vender)...
E claro que também há as questões técnicas. Já se tinha percebido que este 4-4-2 adaptado, funciona de uma maneira com Samaris e de outra com Fejsa. Fejsa é muito posicional e mais defensivo, como se bem viu no título de há duas épocas atrás, enquanto Samaris é mais móvel e ofensivo. A dupla Samaris + Renato funcionou bem em Setúbal, mas a dupla Renato + Fejsa não podia funcionar bem na Madeira porque remetia para Renato, o miúdo de 18 anos, a tarefa de construir as jogadas de ataque, já que Fejsa jogando mais atrás, “fica” e não sobe. Samaris não tem esse problema porque se complementa com Renato nas tarefas defensivas e ofensivas. Fejsa foi fundamental em Braga, mas aí jogamos em 4-3-3 com Fejsa, Renato e Pizzi no meio campo. Mais dois extremos, Gaitan e Guedes. 5 unidades no meio campo, 4 delas polivalentes. Em Setúbal e Madeira, apenas 4, mas com 2 atacantes de área. Na Madeira dessas 4 unidades, apenas 3 eram polivalentes (Pizzi, Guedes e Renato). Em Setúbal, todos os 4 do meio campo eram polivalentes (Pizzi, Guedes, Samaris e Renato)...
Detalhes que fazem a diferença em campo... Pressão, Formação e Táctica. (desta vez não houve outro factor, a arbitragem)

Sem comentários:

Enviar um comentário

AMIGO/A VISITANTE

Não comente como ANÓNIMO porque pode haver quem deseje responder-lhe e assim continuar o diálogo.

Clique em NOME/URL e escreva o seu, ou um nome, ou um nik, não necessitando de escrever nada no 2.º rectângulo, deixando-o em branco.
A seguir clique em ... continuar e... comente.

Volte sempre. Obrigado