Campeões Nacionais 2014/2015

Campeões Nacionais 2014/2015

Siga-nos no Facebook

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Acabou o Mundial...



Portugal 14 de Julho de 2014

Acabou o Mundial de 2014, com uma vitória merecida da Alemanha, como também seria merecida se fosse a Argentina a ganhar. Duas grandes Selecções, dois tipos de jogo que tiveram tanto de distinto na forma como procuraram a baliza adversária, como de igual na vontade de ganhar.
Esta final permite-nos tirar algumas conclusões que se adaptam às finais que o Benfica disputou na Liga Europa, uma perdida com 1 golo aos 92 mn, outra perdida nas grandes penalidades.
Uma grande realidade é que os jogadores estavam cansados pela sobrecarga de jogos efectuados durante a prova, acumulando com os jogos das equipas que representam. Mesmo considerando que tiveram um período sem competição, para estagiar e prepararem a prova, o cansaço foi sempre uma variável do rendimento desportivo das equipas.
Quando chegou às duas finais europeias, o Benfica também fez um enorme trabalho nesta matéria, conseguindo conciliar o rendimento desportivo nas restantes provas com as etapas vencidas no caminho para essa Final. De onde nunca se poderá deixar de sublinhar que chegar à Final é só para os melhores. Daí ninguém poder tirar mérito ao Benfica de Jesus.
Em relação à Final do Mundial, tivemos alguns dos melhores executantes do Mundo, e como se viu ganhou uma Selecção que não tem o “melhor do mundo”, o que vende mais champô Linic ou que muda mais vezes de visual. Mas foi a Selecção de uma Federação que soube estruturar-se para a prova, escolhendo a melhor equipa técnica (apesar dos falhanços no Mundial 2010 e Euro2012), os que consideraram ser os melhores jogadores, que adoptaram uma estratégia de abordagem da prova em função das suas especificidades (calor, temperatura, número de jogos), que pensou no que de facto iam fazer e que no final foram bem sucedidos porque pensaram, planearam e executaram melhor que todos os outros.
Justo será referir que também podia ter ganho a Argentina, se Higuain ou Messi tivessem marcado primeiro, quando dispuseram de oportunidades que não surgem muitas vezes neste tipo de jogos. Numa situação de desvantagem e perante uma Selecção que defende bem, que faz do processo defensivo a sua forma natural de jogar, não teria sido fácil à Alemanha dar a volta ao jogo. Contudo a especulação não leva a lado algum, ganhou quem marcou e quem marcou foi a Alemanha, naquele que para mim é o golo do torneio. Porque é um golo de execução difícil e porque valeu o título.
Voltando às Finais perdidas pelo Benfica, devemos notar que contra o Chelsea de 1 só ponta de lança, fomos uma equipa de propensão ofensiva com 2 pontas de lança (Cardozo e Lima) na táctica do 4-4-2 em losango. Contra o Sevilha também de 1 só ponta de lança, jogamos novamente em 4-4-2 em losango, mas a cobertura defensiva que dão Lima e Rodrigo foi superior à que deu o modelo do ano anterior.
E se podemos dizer que Di Maria fez muita falta à Argentina, porque é um jogador explosivo, que faz bem o um contra um, arrastando jogadores adversários e com isso libertando espaços para os colegas de equipa poderem atacar e rematar à baliza, que dizer da ausência de Sálvio e Enzo Peres da 2ª final do Benfica contra um adversário na máxima força? Pois é... Era muito mais difícil...
A final do Mundial teve poucos erros de arbitragem, e os poucos que existiram foram de natureza disciplinar. Mesmo assim, as duas grandes Selecções lutaram, correram, igualaram-se numa luta que só foi decidida a 7 mm do final do prolongamento. E se o árbitro tivesse perdoado dois penaltys claros contra a Alemanha como perdoou o árbitro alemão contra o Sevilha? Pois é... Seria ainda mais difícil conseguir ganhar...
Ganhou a Alemanha! Viva o futebol bem planeado...
Uma palavra final para os comentários de Rui Costa que roçaram a excelência, pela sobriedade, conhecimentos e respeito evidenciado pelo do futebol jogado pelas duas equipas... Um exemplo a seguir pelos pivots das televisões, muitas vezes mal informados daquilo que comentam, como se viu com Romero que não pertence aos quadros do Mónaco, como disse o jornalista RTP, mas sim Sampdória, como bem corrigiu Rui Costa.
Outra palavra para a eleição de melhor jogador do Mundial. Apesar de ser apreciador de Messi, discordo da sua eleição (não esquecer que falhou um golo “feito” ao mn 46 da 2ª parte). Na minha perspectiva fazia mais sentido eleger Mascherano por ter evitado o golo de Robben, na meia-final, em cima dos 90 mn, desarme esse que permitiu à Argentina seguir para a Final. E também pela excelente cobertura defensiva que deu à equipa, ajudando a que a Argentina tivesse uma das melhores defesas com 3 golos sofridos na fase de grupos e mais 1 no prolongamento da Final. Os argentinos irão sentir a sua falta,...
Por último, o Brasil. Limitar o insucesso brasileiro às opções de Scolari é redutor e vai continuar a manter o Brasil em plano secundário face às grandes Selecções europeias. É preciso não esquecer que este 4º lugar é a melhor classificação depois da conquista do Penta em 2002 com Scolari. Seja por 7-1 ou por meio a zero, o Brasil tem sido sempre afastado das fases finais das decisões dos últimos Mundiais. Se repararmos também na Copa Libertadores da América, metade das equipas brasileiras saiu na fase de grupos, e a outra metade saiu nos oitavos de final. O Brasil tem de mudar o paradigma do seu futebol, caso contrário irá continuar a perder protagonismo no futebol mundial. Devem procurar ter menos samba, mais rigor e mais pragmatismo no seu futebol... algo que no Benfica, com excepção do samba, também deveríamos procurar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

AMIGO/A VISITANTE

Não comente como ANÓNIMO porque pode haver quem deseje responder-lhe e assim continuar o diálogo.

Clique em NOME/URL e escreva o seu, ou um nome, ou um nik, não necessitando de escrever nada no 2.º rectângulo, deixando-o em branco.
A seguir clique em ... continuar e... comente.

Volte sempre. Obrigado