Campeões Nacionais 2014/2015

Campeões Nacionais 2014/2015

Siga-nos no Facebook

quarta-feira, 16 de março de 2016

CC



Portugal 16 de Março de 2016

CC, Campeonato e Champions, duas provas onde ainda estamos “sem saber como” segundo alguns experts da bola. Uns mais faladores assumem-no de forma ridícula, outros menos faladores e escondidos atrás de teclados de jornalistas, aplicam-no nos seus textos, títulos e destaques.
Se a vitória em casa do Zenit, sendo na Champions, teve o triplo sabor de recuperar a mística europeia benfiquista, significar a 5ª vitória na mesma edição da Champions e calar Villas-Boas que com um plantel muito mais valioso, sem o empurrão da arbitragem esta época acumulou 2 derrotas com o Benfica, o rival que cilindrou na época que esteve sentado na sua cadeira de sonho.
Antes que alguns me venham falar que na época passada perdemos os dois jogos com o Zénit, com outro treinador no Benfica, lembro apenas que os atacantes de então eram Lima e Derlei (ex-Marítimo), enquanto este ano são Jonas, Mitroglou e Jimenez. De facto era preciso dar a Rui Vitória as mesmas condições que foram dadas ao outro, diziam alguns inteligentes que têm acesso à comunicação social.
O Benfica tem menos hipóteses do que os ditos “tubarões” para seguir em frente na Champions, mas já se conseguiu o que era desejável e mais atingível para a actual realidade competitiva internacional. Enquanto nós, por opção da Direcção de Vieira e projecto do BES, pagamos 20 e tal milhões de euros em juros (só em juros, fora as amortizações), os outros clubes europeus investem em grandes jogadores dos que resolvem jogos em 2/3 oportunidades. E assim como os juros não marcam golos vamos assistindo ao sucesso dos outros, embora, e com alguma ponta de sorte (a somar à competência) possamos vir a ser bem sucedidos. Lembro como fomos eliminados pelo Barcelona em 2005 e pelo Chelsea em 2012, num caso dando muito luta (Moretto, o proscrito, defendeu um penalty do Ronaldinho), noutro caso sendo nitidamente prejudicados pela arbitragem em ambos os jogos.
Quanto ao campeonato, passada a barreira Tondela, apesar de um golo sofrido nas compensações e que era escusado, temos aí a saída mais difícil de todas as quatro que teremos de abordar até final. É uma saída de dificuldade elevada porque 1) o Boavista é uma equipa que joga com a virilidade excessiva tolerada pela arbitragem, pela Direcção que não protesta e pelos comentadores do Benfica que a não referem, 2) a virilidade excessiva e repetida, prejudica a forma de pensar e jogar de quem tem mais argumentos técnico-tácticos levando muitas vezes a que os nossos jogadores percam a concentração e optem por responder na mesma moeda, prejudicando o nosso jogo, 3) perdemos dois jogadores fundamentais, como sejam Jardel e Mitroglou, um porque ajuda a defender melhor, outro porque ajuda a marcar golos que são a chave do sucesso em qualquer jogo, 4) uma vitória significaria muita ilusão perdida pelos nosso rivais directos, pelo que eles irão pressionar a arbitragem (uma vez mais) via comunicação social.
Aliás o castigo aplicado pelo CD da Liga a Vieira (23 dias) pela única vez em que criticou a arbitragem (no jogo com o Rio Ave), comparando com os 19 dias aplicados a Bruno de Carvalho, que sistemática e repetidamente tem criticado os critérios dos árbitros, lançando suspeições sobre a sua idoneidade, na mesma medida em que Vieira foi directo e falou em “roubo”, vem provar o que tenho dito e subentendido muitas vezes: o “sistema” existe e Vieira apenas faz e dá a entender que o Benfica é respeitado, quando na realidade não é assim.
Esta ponta final do campeonato será pois mais do mesmo, em boa parte devido à inacção da Direcção e à interesseira opção em manter o silêncio perante ataques indecentes de vários quadrantes desportivos (não é só o SCP), uma opção que faz de Vieira uma espécie de Madre Teresa de Calcutá, reforçando a centralidade nacional da sua liderança e protegendo-o da divulgação de notícias eventualmente desagradáveis sobre os seus antigos negócios em vários ramos de actividade, incluindo o futebol na Alverca SAD. O “castelo de cartas” poderia ruir e isso era mau para muita gente que gravita nos interesses económicos do futebol dentro e fora do Benfica.
Ao Benfica restará sempre um activo inalienável: o 12º jogador. Os adeptos, os sócios, os fãs... É o sonho, a ilusão, o amor dos adeptos pelo clube, que galvaniza a equipa em muitos e muitos jogos difíceis. Para além da equipa, é apenas com isso que teremos de contar já no Bessa.

Sem comentários:

Enviar um comentário

AMIGO/A VISITANTE

Não comente como ANÓNIMO porque pode haver quem deseje responder-lhe e assim continuar o diálogo.

Clique em NOME/URL e escreva o seu, ou um nome, ou um nik, não necessitando de escrever nada no 2.º rectângulo, deixando-o em branco.
A seguir clique em ... continuar e... comente.

Volte sempre. Obrigado